Vila Criativa Mercado disponibiliza 50 vagas para oficinas de inclusão produtiva

As aulas são voltadas exclusivamente para pessoas atendidas por algum serviço da Secretaria de Assistência Social (Seas)

Comentar
Compartilhar
02 FEV 2018Por Da Reportagem18h31
Em média, os cursos têm duração de três meses e acontecem, em sua maioria, duas vezes por semanaFoto: Raimundo Rosa/PMS

Com o objetivo de criar oportunidades para geração de renda e incentivar pessoas a saírem da situação de vulnerabilidade, a Vila Criativa Mercado (Praça Iguatemi Martins s/nº) está com inscrições abertas para oficinas de inclusão produtiva. São mais de 50 vagas remanescentes (ver abaixo) em nove oficinas temáticas.

As aulas são voltadas exclusivamente para pessoas atendidas por algum serviço da Secretaria de Assistência Social (Seas). Em média, os cursos têm duração de três meses e acontecem, em sua maioria, duas vezes por semana. Por ano, são cerca de 250 vagas à disposição no local.

CURSOS

Há vagas disponíveis para os cursos de feltro básico (5 vagas/período da manhã) e feltro avançado (3 vagas/período da tarde); bordado básico (5 vagas/período da manhã) e bordado avançado (6 vagas/período da tarde); costura em malharia (1/tarde); customização de objetos (2/manhã e 4/tarde); fibra de bananeira (4/manhã e 6/tarde); reciclagem de móveis e objetos (3/manhã e 9/tarde); pintura em tecido (5/tarde).

Os interessados devem comparecer à Vila Criativa até o próximo dia 9, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. É necessário levar cópia do RG, CPF, do comprovante de residência e apresentar o encaminhamento do técnico de referência que atende o interessado no curso.

REUTILIZAÇÃO

“Quando me ofereceram para ingressar na oficina de reciclagem de móveis, na hora recusei. Agora, me surpreendo com o que faço, todos gostam. Já consigo sonhar em ter minha oficina e trabalhar com isso”.  O relato do aluno da oficina de reciclagem de móveis e objetos, Carli Carlos Claudino, 54 anos, mostra a motivação de quem se dedica aos ensinamentos passados em sala de aula. “Passo pelas ruas vejo vários móveis descartados nas lixeiras. Para o artista, isso não é lixo, é matéria prima”.

A instrutora do curso, Kátia Costacurta, conta que há diversos casos onde os alunos deram uma guinada em sua história. “Temos um ex-aluno que fez da garagem de sua casa seu local de trabalho. Hoje, ele pega encomendas de parentes e vizinhos e se diz realizado profissionalmente. Todos percebem uma elevação da autoestima e uma nova motivação para sua vida”. 

A utilização de materiais de baixo custo pode gerar bons lucros, segundo a instrutora do curso de artesanato com fibra de bananeira, Paula Cristina Oliveira. “Na maioria dos casos, a matéria prima já está descartada, sem uso, às vezes nas lixeiras da Cidade. A fibra de bananeira, por exemplo, é um material que já está inutilizado nos bananais. Depois de retiradas as bananas, o produtor corta e descarta o tronco para liberar espaço para novas mudas. Então, na prática, o artesão contribui para o ecossistema, com custo zero”. A extração da fibra da bananeira também é um dos módulos aprendidos no curso. 

Mais informações: https://www.facebook.com/CodesoVilaCriativa/  ou telefone 3223-9573.