Vereadores conhecem projeto do túnel imerso e defendem alternativa

União de Vereadores da Baixada Santista visita estuário do Porto de Santos e tem acesso a detalhes do projeto que visa sanar gargalo de mobilidade urbana e promover o desenvolvimento da operação portuária

Comentar
Compartilhar
27 FEV 2021Por Da Reportagem11h00
O presidente da Câmara de Santos, vereador Adilson Júnior, também considera o túnel a melhor alternativa para ligação secaO presidente da Câmara de Santos, vereador Adilson Júnior, também considera o túnel a melhor alternativa para ligação secaFoto: Divulgação

O presidente da UVEBS (União de Vereadores da Baixada Santista), Betinho Andrade, afirmou, nesta sexta-feira (26), que o projeto de túnel imerso é a melhor alternativa para resolver um entrave centenário da região – a ligação seca entre Santos e Guarujá. O vereador de Praia Grande liderou a comitiva que visitou um terminal de contêineres no estuário do Porto de Santos e teve acesso a informações detalhadas do projeto do túnel imerso.

“Diante do apresentado nesta visita, sob o aspecto técnico e de obra de engenharia fica comprovado que a melhor opção para a ligação seca é o projeto do túnel, principalmente, em relação ao desenvolvimento do porto nos próximos anos, pois não cria barreiras físicas no canal de navegação. Não podemos ignorar a expansão portuária, pois o desenvolvimento do Porto de Santos impacta diretamente a economia do país”, ponderou.

Andrade destacou que a definição pelo melhor projeto deve ser técnica e não política e garantiu que a UVEBS irá apresentar aos demais vereadores da Baixada Santista os detalhes do projeto do túnel imerso. “A classe política precisa ter o conhecimento da questão principal que é o desenvolvimento portuário. A UVEBS tem o compromisso de construir isso junto aos vereadores, especialmente, os eleitos nessa nova legislatura que não conhecem com profundidade os projetos”, garantiu.

Representantes da Campanha Vou de Túnel, mobilização de mais de 30 empresas e associações de diferentes segmentos que defendem a alternativa, apresentaram o projeto e a situação atual para a obra do túnel imerso aos parlamentares.

O porta-voz da campanha, engenheiro naval e ex-presidente da SPA, Casemiro Tércio Carvalho afirmou que a visita técnica foi produtiva, pois contou com representantes das Câmaras dos nove municípios da Baixada Santista. “A visita técnica foi importante para apresentar e esclarecer as atualizações do projeto do túnel e as novas informações com relação à contraposição ao projeto da ponte. Uma oportunidade de mostrar aos vereadores a importância da geração de emprego e as melhorias para a qualidade de vida dos moradores da Baixada, disse”.

O presidente da Câmara de Santos, vereador Adilson Júnior, também considera o túnel a melhor alternativa para ligação seca e lembrou que não existe no mundo uma indicação de ponte em área portuária. “Uma ponte na região apresenta questões como uma desapropriação maior, uma interferência urbanística mais agressiva e impede mais um eixo de desenvolvimento econômico para a região por inviabilizar um novo aeroporto no Guarujá”, disse.

Segundo ele, a visita técnica foi esclarecedora sobre a questão da viabilidade econômica do projeto do túnel. “Tivemos novas informações de que o túnel é viável economicamente, com a possível aliança entre a iniciativa privada e a SPA para a obra sair do papel definitivamente. Este é o anseio da comunidade da Baixada Santista”, acrescentou.  

FOCO NA COMUNIDADE

Outro porta-voz da campanha, o consultor portuário Eduardo Lustoza, destacou os impactos positivos do projeto do túnel para as comunidades dos municípios da Baixada Santista, como a segurança nas manobras dos navios no porto, a redução de 95% de desapropriações com a atualização do projeto do túnel e os benefícios para a mobilidade urbana no trajeto entre Santos e Guarujá.

“O túnel imerso atenderá mais de 40 mil pessoas por dia e reduzirá em 25 minutos o tempo de travessia. O trajeto entre as cidades passará a ser feito em menos de cinco minutos e desafoga as filas na balsa. Com distância de apenas 1,7 km e localização estratégica, o túnel é também uma opção mais econômica e tem menor custo do que o projeto da ponte (R$ 2,5 bilhões do túnel, contra R$ 3,9 bilhões da ponte)”, completa Lustoza.

A vereadora de Santos, Audrey Kleys considerou a visita ao estuário positiva, pois "ampliou ainda mais a visão sobre o Porto de Santos e sua dimensão, tanto geográfica quanto de importância para as nove cidades da região".

Para ela, a ligação seca via túnel imerso é mais moderna, democrática e benéfica para a operação portuária. "Já ficou claro que o túnel é a melhor opção para a ligação seca entre Santos e Guarujá. Permite abraçar mais modais de transporte, é uma solução moderna e, ainda mais importante, não vai impedir o crescimento e a ampliação do Porto de Santos," define.