Travessias não são regulamentadas desde 1986

Catraieiro garante que decreto de 1986 foi assinado, mas nunca foi regulamentado pelo Estado de São Paulo.

Comentar
Compartilhar
27 ABR 2019Por Carlos Ratton08h59
Os catraieiros salvaram a travessia quando as barcas da Dersa foram suspensas pela Marinha.Foto: Nair Bueno/DL

O colapso ocorrido na última quinta-feira (25), envolvendo o sistema de travessia entre Santos-Vicente de Carvalho (Guarujá), deixando cerca de 28 mil usuários em situação difícil - atrasos no trabalho, em consultas médicas, em compromissos comerciais e outros - é apenas um dos reflexos da falta de regulamentação do transporte que, segundo o catraieiro Adilson Santos, nunca existiu, apesar de haver um decreto ministerial assinado desde 1986.

Adilson Santos, que faz parte da Associação dos Catraieiros de Vicente de Carvalho, diz que a categoria vem fazendo inúmeros pedidos de reunião com a Secretaria de Logística e Transportes no sentido de fazer valer o decreto. "Também estamos tentando a regularização das tarifas", afirma o catraieiro, ressaltando que não há regulamentação para todas as linhas - Praia do Góes, Pouca Farinha, Bertioga e outras - envolvendo as travessias alternativas (feitas por catraieiros) e as gerenciadas pela Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa).

Segundo Santos, o ex-governador Márcio França teria baixado, em novembro último, um decreto exigindo a regulamentação. "Mas também não foi seguido. A Marinha só fiscaliza equipamentos e embarcações. A regulamentação facilitaria a fiscalização, inclusive do Ministério Público; a definição de tarifas (hoje R$ 1,55); investimentos em atracadouros; enfim, melhoria do serviço de travessia. Temos autorização do transporte, mas não o regulamento. Isso ocorre em todas as travessias do Estado", enfatiza. A Secretaria de Transportes não se manifestou sobre a questão.

SITUAÇÃO

Na última quinta-feira, cerca de 28 mil usuários - 20 mil que atravessam pelo sistema operado pela Dersa e oito mil por intermédio dos catraieiros - foram prejudicados por conta da suspensão, pela Marinha, de três das quatro catamarãs oferecidas pela primeira, contratada pelo Governo do Estado. A Marinha alegou falta de segurança da embarcações.

A catamarã Paecará (maior de todas) foi lacrada; a LS5, com soldas soltas, foi encostada para reparos e a catamarã Sereia estava sem sem condições de navegação. A única em operação era a catamarã Itapema (menor que as demais). O sistema operava com cinco embarcações mas, meses atrás, sem qualquer motivo aparente, a Dersa enviou duas para a Travessia São Sebastião - Ilhabela.

As embarcações da Dersa já possuem um histórico complicado envolvendo problemas mecânicos; os aparelhos de ar-condicionado insuficientes para minimizar o calor; o barulho dos motores acima do suportável; televisões quebradas, poucas alternativas de saída emergenciais e visíveis desgastes externos, além de reclamações de atrasos nas viagens, que causam superlotação nas embarcações.

DERSA

A travessia foi praticamente normalizada ontem após a Dersa resolver parte dos problemas. No entanto, empresa lembra que foram comprados novos motores e peças sobressalentes, com investimento de mais de R$ 10 milhões.

Além disso, firmou contrato com uma empresa especializada na recuperação de motores, a fim de manter as unidades que ainda não requerem substituição em perfeitas condições de operacionalidade.

SECRETARIA

Citada anteriormente na reportagem, a Secretaria de Transportes Metropolitanos afirma que não responde pelo sistema de travessia por balsas entre Santos e Vicente de Carvalho (Guarujá). Esse serviço é de responsabilidade da Secretaria de Logística e Transportes. O texto foi corrigido nesta terça-feira (30).