Santos: Prefeitura esclarece e diz que Escola do Autista só atenderá moradores da cidade

A ideia de criar a clínica que também funciona como escola surgiu após inúmeras reivindicações de familiares de pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista

Comentar
Compartilhar
07 OUT 2020Por LG Rodrigues17h50
Ao todo, 34 funcionários já receberam capacitação durante os últimos meses para começar a atuar na instituiçãoFoto: LG Rodrigues / Diário do Litoral

O Centro de Reabilitação e Estimulação do Neurodesenvolvimento (CREN), também chamado como Clínica Escola do Autista, em Santos, atenderá, ao menos a princípio, apenas o público que mora na cidade. A informação foi esclarecida pela Prefeitura de Santos após o prefeito Paulo Alexandre Barbosa ter dito durante a cerimônia de entrega da unidade municipal que o equipamento atenderia também moradores de outros municípios.

Divulgada pela administração municipal como a primeira instituição do gênero em todo o Brasil, o empreendimento, construído, em parte, com verbas adquiridas por meio do Baile da Cidade, funcionará em uma área de 500 m² da antiga Escola Estadual Braz Cubas, que fica na Rua Heitor Penteado, 80, Marapé. O equipamento terá capacidade de atendimento para até 120 pessoas.

A ideia de criar a clínica que também funciona como escola surgiu após inúmeras reivindicações de familiares de pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA). A necessidade de se possuir assistência especializada e atualizada para o tratamento de pessoas com TEA deu início a um processo de mais de cinco anos que termina com a conclusão da obra e entrega do equipamento.

"A superação é de vocês mães durante este período de construção. Não foi no tempo que vocês esperavam, também não foi no tempo que nós e o prefeito desejávamos, mas está aqui. Superados todos os desafios e iniciando agora estas atividades. Tivemos nossas divergências, mas faz parte do processo de construção e eu aprendi muito com vocês e da superação durante o dia a dia", afirmou o secretário de saúde Fábio Ferraz durante discurso às mães e estudantes que já começarão a estudar no local.

Ao todo, 34 funcionários já receberam capacitação durante os últimos meses para começar a atuar na instituição. Apesar do estado atual de pandemia e isolamento social, as atividades deverão iniciar de forma imediata, mas limitadas e seguindo regras de distanciamento e higiene básica para evitar novas contaminações pelo coronavírus.

"Hoje é um dia de muita alegria e satisfação pela conclusão de uma etapa de trabalho. Tivemos parcerias também com a iniciativa privada, cessão do Estado desse prédio, enfim, muita gente trabalhou e minha palavra agora é só de agradecimento. Muita gente trabalhou por esta conquista, mas o mérito é das mães que foram incansáveis, lutadoras", afirma Paulo Alexandre.

De agora em diante, a manutenção do espaço será tocada com verba provinda do orçamento da própria Prefeitura de Santos e uma comissão já foi nomeada em portaria publicada nesta semana para fiscalizar o espaço. A princípio, Paulo Alexandre afirmou que a escola também receberia estudantes de outras cidades. Posteriormente, entretanto, a equipe de comunicação da Prefeitura de Santos informou que, segundo a Secretaria de Saúde, isso é inviável no momento porque a Clínica Escola do Autista funcionará de maneira similar a uma policlínica, e que, por este motivo, só atenderá pessoas que tenham residência em Santos.

"A Secretaria de Saúde de Santos esclarece que, inicialmente, a Clínica Escola do Autista atenderá pacientes encaminhados via sistema IntegraSaúde, a partir da consulta com os médicos da rede de Atenção Básica (policlínicas). Estas unidades são voltadas apenas para moradores de Santos", afirmou a instituição em nota.

Atualmente, o Centro de Reabilitação e Estimulação do Neurodesenvolvimento (CREN) conta com uma brinquedoteca, sanitários adaptados, uma Casa de Atividade de Vida Diária (AVD), consultório odontológico, sala de reuniões e outros espaços que incluem uma quadra esportiva.