Santos: Mais de 250 imóveis recebem inseticida em combate ao Aedes na Zona Noroeste

Em relação às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, Santos contabiliza 106 casos de dengue e 16 de chikungunya

Comentar
Compartilhar
05 AGO 2020Por Da Reportagem08h25
Imóveis de 15 quadras foram nebulizados com inseticidaFoto: Divulgação / Prefeitura de Santos

Ações de combate ao mosquito Aedes aegypti no Rádio Clube, na Zona Noroeste de Santos, incluíram a aplicação de inseticida na área externa de 263 imóveis, localizados no entorno das residências de pessoas que contraíram chikungunya e dengue recentemente.

Foram dois dias de operação, encerrados nesta terça-feira. O bairro contabiliza cinco casos de dengue e um de chikungunya em 2020 - o maior em número de casos da Zona Noroeste.

Na semana passada, os agentes de combate a endemias da Secretaria de Saúde já haviam realizado mutirão para eliminar potenciais criadouros do mosquito no bairro.

Imóveis de 15 quadras foram nebulizados com inseticida. A aplicação do produto é uma estratégia da Secretaria de Saúde de Santos para diminuir a circulação do vírus da chikungunya no bairro, por meio do combate ao mosquito Aedes aegypti em sua fase adulta. Trata-se de um procedimento realizado mediante protocolos e não há indicação para uso indiscriminado da substância em toda a Cidade.

Em relação às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, Santos contabiliza 106 casos de dengue e 16 de chikungunya. Não há registro de zika neste ano. O último caso de febre amarela urbana no Brasil ocorreu na década de 1940.