Rosana Valle consegue, com bancada paulista, dois veículos especiais para combater incêndios no Porto

O Porto de Santos é o maior importador de nitrato de amônio do Brasil; substância foi a responsável pela explosão em Beirute em agosto deste ano

Comentar
Compartilhar
09 DEZ 2020Por Da Reportagem15h40
A deputada federal Rosana ValleA deputada federal Rosana ValleFoto: DIVULGAÇÃO

A deputada federal Rosana Valle (PSB) conseguiu, nesta quarta-feira (9), o apoio da banca paulista dos deputados federais para a compra de dois veículos especializados para combater incêndios no Porto de Santos, o maior importador de nitrato de amônio do Brasil. 

Rosana argumentou que, somente em 2020, o Porto recebeu 161 mil toneladas da substância, responsável pela explosão no Porto de Beirute, no Líbano, em 4 de agosto deste ano, que causou mais de 100 mortos e 4 mil feridos.

A bancada paulista tem 70 parlamentares, que se comprometeram a destinar, juntos, recursos para a aquisição dos veículos especializados em incêndios industriais. Rosana Valle quer que um dos veículos, seja destinado para o atendimento das ocorrências nas cidades da Baixada.  

A parlamentar também sensibilizou os colegas argumentando que, em abril de 2015 ocorreu o incêndio em seis tanques da Ultracargo, que levou 8 dias para ser apagado, ocasião em que foi constatada a falta de insumos e equipamentos. Assim, os veículos atenderão necessidades do Porto e do polo industrial de Cubatão. 

Participaram da videoconferência que aprovou a aquisição vários deputados federais, inclusive o coordenador, Vinicius Poit. Na discussão foram tratadas necessidades importantes. No ano anterior, por exemplo, todos os recursos foram destinados para a saúde, no combate à pandemia da Covid-19. Neste ano, novas áreas serão atendidas, como defesa civil, segurança, educação.

"Temos as duas margens do Porto de Santos, a área industrial de Cubatão, que são áreas vulneráveis. Por isso este comprometimento da bancada paulista é vital para nossa região”, disse a parlamentar, lembrado que, em janeiro de 2016, na Margem Esquerda do Porto, a ruptura de um contêiner com 20 toneladas de produto químico permitiu a entrada de chuva que, numa reação, causou o incêndio. 

O fogo atingiu 66 contêineres. Os bombeiros utilizaram 23 viaturas, um navio e um rebocador para captar a água do mar no combate ao incêndio. Foram mais de 30 horas de combate ao fogo. “São fatos que comprovam a necessidade destes veículos especializados”, concluiu Rosana Valle, que primeiro tratou desta reivindicação com o comandante dos Bombeiros no Estado de São Paulo, coronel Luis Alberto Rodrigues Silva, no dia 27 de novembro.