Banner gripe

Quadra oferece riscos aos usuários na Zona Noroeste

Equipamento no Jd. São Manoel sofre com problemas estruturais.

Comentar
Compartilhar
17 JUN 2019Por Thaigo Costa08h20
Com um investimento de mais de R$ 800 mil e menos de 4 anos de construção, o equipamento esportivo está em estado crítico.Foto: JONIELISTON DO VALE/DIVULGAÇÃO

Com um investimento quase milionário, exatos R$ 813.307,49, e menos de 4 anos de construção, o equipamento esportivo que fica no bairro Jd. São Manoel, na Zona Noroeste de Santos, está em estado crítico.

Além do piso desgastado, com linhas apagadas e rachaduras, o telhado tem goteiras e a iluminação é fraca. Esse é o estado de um dos únicos equipamentos esportivos e sociais do bairro.

Segundo moradores e usuários da quadra, a importância do equipamento vai além do esporte, pois no espaço acontece feiras de empreendedores locais, além de abrigar projetos sociais com crianças carentes e de baixa renda, como é o caso do Projeto Sonhar, Planejar e Conquistar (SPC), idealizado pelo aposentado, hoje voluntário, Jonieliston do Vale, conhecido como Joni, que atende cerca de 60 crianças com idades de quatro a 14 anos, e o Projeto da Fundação Settaport, que atende cerca de 80 crianças com idades entre seis e 15 anos.

"O problema não é apenas o péssimo estado que encontra-se o equipamento onde foi investido muito dinheiro há pouquíssimo tempo, mas o risco para as crianças. Várias vezes elas quase foram atingidas por bolas que vêm do campo ao lado da quadra, onde jogam adultos, por isso precisa fechar a lateral. Fora que quando chove não tem como usar a quadra e muitas coisas já estão se deteriorando", explica Joni.

A quadra do São Manoel foi construída em 2015, com valor de R$ 633.307,49, verba proveniente de convênio com o Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias (DADE). Ao longo dos anos, os reparos executados tiveram valor estimado de R$ 180 mil, de acordo com a prefeitura.

Em agosto de 2018 houve reunião entre moradores e representantes da prefeitura para tratar desse assunto. "Tivemos uma reunião com o Sub Prefeito Regional, senhor Acácio, onde foi feita uma promessa de que no início de 2019 haveria uma reforma de emergência, porém, até agora nada", critica.

Em nota, a prefeitura de Santos alega que uma vistoria foi realizada recentemente, onde uma equipe de técnicos da Subprefeitura da Zona Noroeste constatou a necessidade de reparos pontuais e "já iniciaram a planilha de custos para realizar a manutenção do telhado, da cerca e na iluminação". Mas, até o momento não há licitação em andamento para a quadra.

"Conversei com o Prefeito recentemente e ele prometeu que irá consertar todos os problemas. É um absurdo uma quadra coberta que não pode ser utilizada em dias de chuva." Explica o presidente da Sociedade de Melhoramentos do bairro, Edimilson de Almeida Duarte, Didi.

De acordo com munícipes, o princípio do problema está na construção do equipamento. "A arquibancada, em menos de três meses após a construção, já tinha rachado de fora a fora, ou seja, um serviço muito mal feito", resume Joni.

Outros usuários confirmam esse problema, como é o caso de Bruno Andrade, que viu as obras desde o início. "Acompanhei toda a construção da quadra que inicialmente era descoberta. Pouco tempo depois anunciaram o projeto de uma reforma e da cobertura, que pelo resultado, provavelmente foi superfaturado. A estrutura foi muito mal feita e tem erros gritantes, o que pode ser um risco, pois crianças utilizam o local diariamente e tem projetos sociais e esportivos a semana inteira, que frequentemente são interrompidos por esses problemas recorrentes".

Bruno, que usa o equipamento com frequência, finaliza indignado. "Temos um grupo de basquete com treinos semanais, mas quando chove não conseguimos jogar porque a quadra fica toda molhada. Espero que em breve as autoridades responsáveis tomem alguma providência, que seja proporcional ao gasto que é anunciado nas placas de obras municipais, e que se tome o devido cuidado ao propor opções de lazer para a comunidade. Fica aqui meu desabafo."

Colunas

Contraponto