Prefeitura libera vacina contra leishmaniose para cães sadios em Santos

O interessado deve entrar em contato com o setor de zoonoses para agendar a aplicação. Os telefones são (13) 3257-8048, (13) 3257-8044 ou (13) 3257-8032.

Comentar
Compartilhar
03 AGO 2019Por Folhapress14h28
A leishmaniose é transmitida pelo chamado mosquito-palha e tem nos cães a principal fonte de infecção.Foto: Agência Brasil

Tutores que moram em Santos, no litoral paulista, podem vacinar seus cães contra leishmaniose, gratuitamente, em uma ação da prefeitura.

A dose, porém, só será aplicada mediante comprovação, via resultado de exame, de que o cão não tem a doença. O tutor tem até dia 18 para isso.

O interessado deve entrar em contato com o setor de zoonoses para agendar a aplicação. Os telefones são (13) 3257-8048, (13) 3257-8044 ou (13) 3257-8032.

A imunização foi liberada após convocação e não comparecimento de responsáveis por animais sadios que têm proximidade com portadores da doença. Esses cães já eram investigados pela prefeitura e tinham exame negativo para leishmaniose.

De acordo com a administração municipal, 796 tutores foram convocados desde maio, mas apenas 232 levaram o animal para tomar as três doses necessárias da vacina.

Desde 2015, foram identificados 63 casos positivos de leishmaniose na cidade -37 já morreram. Os casos estão distribuídos em 13 bairros, com concentração no Morro São Bento (23). Não há registros de infecção em humanos no município, afirma a prefeitura.

A DOENÇA

A leishmaniose é transmitida pelo chamado mosquito-palha e tem nos cães a principal fonte de infecção. No caso dos animais, a doença não tem cura e não havia medicamento autorizado no país até pouco tempo -a eutanásia era a única recomendação.

Desde 2017, há no país medicamento que permite uma melhora clínica, embora o cachorro continue sendo reservatório da doença. Por isso, mais que tratamento contínuo, a guarda responsável é essencial, já que o bichinho precisará de acompanhamento veterinário pelo resto da vida.

A possibilidade de tratamento não exclui a prevenção. Coleira específica e vacina podem evitar a leishmaniose e são recomendadas, especialmente em áreas onde há maior risco de infecção.

Os sintomas costumam aparecer de dois a três anos após a infecção. Entre eles, o animal apresenta pele e mucosas com feridas; queda de pelos da orelha e em volta do nariz; emagrecimento e crescimento exagerado da unha.

Com o avanço da doença, órgãos internos como fígado, baço e pulmão são afetados.

A doença pode ser transmitida a humanos. Nesse caso, é grave, mas tem tratamento.