Porto de Santos pode ser desestatizado, afirma Ministro

Declaração foi dada durante apresentação feita em evento da XP Investimentos, em São Paulo

Comentar
Compartilhar
06 DEZ 2019Por Estadão Conteúdo07h12
Porto de Santos e de São Sebastião podem passar por mudanças, segundo MinistroFoto: Rodrigo Montaldi/Arquivo DL

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, admitiu nesta quinta-feira, 5, a possibilidade de a desestatização do Porto de Santos ocorrer junto com a do Porto de São Sebastião. A declaração foi dada durante apresentação feita em evento da XP Investimentos, em São Paulo.

Depois, em conversa com jornalistas, ao ser questionado sobre esse ponto, o ministro disse que todas as alternativas estão na mesa. "Nossa equipe foi à Inglaterra para conhecer os portos ingleses e um estudo vai mostrar onde se cria mais valor, se é agregando o porto de São Sebastião ou não agregando", comentou.

Segundo ele, o estudo deve começar a ser feito no início do ano que vem, com previsão para ser concluído em um ano. Em 2021, portanto, a desestatização seria realizada.

Freitas ressaltou que a pasta comandada por ele soma 27 leilões bem-sucedidos.

Falou também em 35 leilões que fazem parte do Programa de Parcerias de Investimentos e mencionou R$ 420 bilhões em investimentos contratos. Disse ainda que a previsão para 2020, na Infraestrutura, é realizar algo entre 40 e 44 leilões.

Grau de investimento
O ministro da Infraestrutura afirmou ainda que o Brasil tem "todas as condições" de voltar a ter o grau de investimento das agências de classificação de risco. "Isso não será nenhum desafio", disse, durante participação no evento da XP Investimentos.

Ele lembrou que o Credit Default Swap (CDS) de cinco anos do Brasil, um termômetro do risco-país, está hoje em nível mais baixo do que quando o País tinha grau de investimento das agências. "Se mostrarmos que estamos crescendo, a nota será elevada", afirmou o ministro. "Estamos com a música do Roberto Carlos: daqui a pouco tudo será diferente", disse.

Mais cedo, no mesmo evento, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou que espera que pelo menos duas agências de classificação de risco anunciem viés positivo para o rating soberano do Brasil nos próximos meses. "E, se continuarmos fazendo reformas, o upgrade será natural, é questão de tempo", disse o secretário.

A declaração foi parte de resposta dada pelo secretário a uma pergunta feita pela economista-chefe da XP, Zeina Latif, que quis saber de Mansueto qual era a chance de alguma agência elevar a nota brasileira no próximo ano. "A perspectiva é muito boa", afirmou o secretário, no início da sua fala.

Questão ambiental
O ministro da Infraestrutura afirmou que o governo tem conversado com investidores no exterior para melhorar a imagem do Brasil em relação à questão ambiental. "Estamos apagando algumas narrativas erradas que passaram lá para fora", disse.

Freitas ressaltou que o Brasil representa um pouco mais de 1% das emissões de gases poluentes do planeta e que 42% da matriz energética do País é de fontes renováveis, enquanto na Alemanha o nível é de 14%. "Somos líderes na questão ambiental, temos de vestir essa carapuça, mas nos permitimos entrar no papel de vilão, porém não somos vilões do meio ambiente", comentou.

O ministro reiterou ainda que o Brasil é a maior potência agroambiental do mundo e precisa vestir essa carapuça de liderança no assunto. "Ninguém faz isso melhor do que nós", disse. "E não existe preservação do meio ambiente com pobreza. Temos de vencer o desafio da pobreza para sermos mais eficientes", acrescentou.