PF de Santos apreende R$ 5 milhões e detém cinco suspeitos de fraudes

Agentes da PF foram informados por uma denúncia anônima de que afirmava que um grupo de pessoas estaria praticando delitos contra o sistema financeiro nacional

Comentar
Compartilhar
03 DEZ 2020Por Da Reportagem12h30
Além do dinheiro, três veículos foram apreendidos, dois possuíam compartimento secreto e o terceiro era utilizado pela responsável do imóvelFoto: Divulgação / Polícia Federal

A Polícia Federal de Santos realizou cinco apreensões e localizou mais de R$ 5 milhões durante uma investigação de crime contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro.Toda a operação foi realizada durante esta quarta-feira (2) e foi iniciada após uma denúncia.

Os agentes da PF foram informados por uma denúncia anônima de que afirmava que um grupo de pessoas estaria praticando delitos contra o sistema financeiro nacional e também lavagem de dinheiro de toda a quantia desviada. De posse das informações, a instituição iniciou diligências e apreendeu US$ 730 mil e R$ 1.825.700,00, que somaram a quantia de R$ 5.6 milhões em espécie. O dinheiro foi encontrado em um imóvel em obras que servia para ocultar os valores em espécie, de origem criminosa.

Ao todo, cinco pessoas foram detidas por suspeita de integrar o grupo criminosos, mas três foram liberados após pagamento de fiança. Um casal, entretanto, foi encaminhado ao sistema prisional da Região. O empreiteiro responsável pela obra na residência foi abordado logo após ter saído de uma agência de turismo, onde trocou grande quantidade de dinheiro em moeda estrangeira por reais, sem apresentar documentos comprobatórios da transação cambial. Ele também não conseguiu explicar a origem e destino dos recursos financeiros com ele localizados.

Ao mesmo tempo em que esta primeira abordagem ocorreu, outro grupo de policiais federais dirigiram-se ao imóvel, e no interior da residência em obras foi localizada vultosa quantidade de valores em espécie, tanto em moeda nacional quanto em dólares, que estavam escondidos em compartimentos secretos no interior de dois veículos que se encontravam na garagem, além de outros montantes que foram localizados em um cômodo trancado no interior do imóvel.

A outra responsável pela residência compareceu ao local e também não soube esclarecer a origem do dinheiro encontrado, mas reconheceu ser a responsável e futura moradora do local quando a obra terminasse. Os dois foram presos em flagrante pelo crime de branqueamento de capitais. Outras três pessoas ligadas a Agência de Turismo foram detidas pelo crime previsto no artigo 16 da Lei 4.792/86, e liberadas mediante pagamento de fiança.

Além do dinheiro, três veículos foram apreendidos, dois possuíam compartimento secreto e o terceiro era utilizado pela responsável do imóvel, e a residência será objeto de pedido judicial de sequestro para que, caso não seja comprovada origem lícita dos valores utilizados para aquisição, seja determinado o perdimento em favor da União.