X
Santos

Obra habitacional Tancredo Neves III segue sem prazo para terminar

Das 2.240 unidades, 1.120 serão destinadas a Santos, mas a obra segue sem prazo de retomada

Do lado de Santos o que se vê são apenas restos de estruturas metálicas enferrujadas e a lembrança das pessoas que ainda esperam por um novo lar / Rodrigo Montaldi/DL

O conjunto habitacional Tancredo Neves III, embora situado em bairro vicentino, dividiu as 2.240 unidades entre as cidades de São Vicente e Santos, contemplando cada uma com 1.120 apartamentos. No primeiro município, quem toca o projeto é o programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal e no segundo, as obras estão por conta da Cohab Santista.

A Reportagem esteve no local para verificar o andamento das obras. Do lado de Santos, o que se vê são apenas restos de estruturas metálicas enferrujadas, tapumes prestes a cair, água parada e a lembrança das pessoas que ainda esperam em condições sub-humanas por um novo lar.

“O único expediente aqui é dos porteiros. Mesmo assim está difícil ficar na cabine porque cortaram a água, a luz e tem muito foco de dengue nessas poças dentro das escavações”, explica o vizinho da obra, Luciano Afonso da Silva. 

O deficit habitacional do município, de acordo com o censo do IBGE é de aproximadamente 10 mil unidades. A entrega dos 1.120 apartamentos programados para o Tancredo III poderia mudar a situação de pelo menos cinco mil pessoas, porém segue sem previsão.

Questionada, a Prefeitura de Santos respondeu que a obra foi iniciada, mas está em fase de migração para o programa Minha Casa Minha Vida. “Análises estão sendo finalizadas pela CAIXA e em fevereiro o banco enviará toda a documentação para o Ministério das Cidades. Assim que tivermos o retorno dele informaremos o prazo”, explicou em nota.

Informou também que a Cohab Santista tem dado andamento às obras dos Conjuntos Caneleira 4, que contará com 200 unidades e Santos T, com 133 unidades - as duas com prazo de entrega ainda neste ano. O Santos O, com 205 unidades e o Santos R, com 326 unidades, tem o prazo de entrega parcial entre 2017 e final de 2018. Serão beneficiadas as famílias de acordo com a política habitacional do município.

Em São Vicente, prazo de entrega do Tancredo III é adiado

De longe, as obras do conjunto habitacional Tancredo Neves voltadas a São Vicente parecem adiantadas. Os prédios estão praticamente prontos, mas a parte de infraestrutura que cabe à Prefeitura de São Vicente, não. As primeiras unidades tinham prazo para entrega em junho do ano passado, porém, segue agora para o segundo semestre de 2017. 

“São dois contratos, ou seja, levantar os prédios é responsabilidade da Caixa, já a infraestrutura como a pavimentação das ruas do conjunto, água, esgoto e drenagem ficam por conta da prefeitura”, explica Marcelo Moreto, engenheiro responsável pela obra da Caixa no lado de São Vicente. 

A obra não está parada, mas segundo informação dos funcionários, a rede de esgoto foi retomada a cerca de 20 dias, com o início do novo mandato. De acordo com Marcelo, 90 funcionários trabalham no local, de segunda a sábado, das 7 às 17h. O lote 17 é o mais adiantado, com 99% da obra pronta. “Essa unidade já poderia ser inaugurada, mas sem asfalto, água, luz não tem como”, explica o engenheiro.

Segundo o Plano Local de Habitação de Interesse Social do Município, elaborado em 2009, o déficit do município fica em torno de 20 mil moradias.

Por meio de nota, a Secretaria de Habitação da cidade informou que trabalha para acelerar a conclusão das obras de infraestrutura do complexo. A expectativa é atender em torno de 4,5 mil pessoas residentes em áreas de risco.

Além do Tancredo Neves III, encontra-se em construção no Município o Conjunto Habitacional da CDHU São Vicente H1, H2, e H3, e o Conjunto Primavera/Penedo.

Primavera Penedo. Embora adiantado em 95%, o conjunto não tem previsão de entrega. Segundo a Administração, ele é de responsabilidade da Caixa Econômica Federal, com recursos do Governo do Estado.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Política

Lula elogia Dilma, mas diz que, aparentemente, aliada 'não gostava de conversar'

Ao comentar que política não se aprende da Universidade, Lula declarou que, apesar da competência técnica da sua sucessora, ela parecia não estar aberta ao diálogo, e justificou afirmando que a experiência da Dilma "foi muito sofrida"

Polícia

Guarujá: dois homens são presos após fazer funcionários de um supermercado de reféns

Além das armas de fogo, eles também estavam com utensílios para arrombar o cofre do supermercado

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software