MP fica do lado do Estado e recomenda manter restrição do comércio em Santos

Órgão considera que uma flexibilização ainda é precoce e pede que decreto do Governo do Estado siga sendo respeitado

Comentar
Compartilhar
05 JUN 2020Por Da Reportagem12h00
As determinações do Governo do Estado e do Secretário de Desenvolvimento Marco Vinholi foram utilizadas pelos promotores para tentar dissuadir o chefe do Executivo santistaFoto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

Uma reunião realizada por videoconferência entre o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, e promotores do Ministério Público decretou a recomendação para que o município siga respeitando as determinações do governo João Doria e mantenha os estabelecimentos comerciais de portas fechadas enquanto a pandemia do novo coronavírus não for controlada na Baixada Santista.

Recentemente, o Governo do Estado de São Paulo decidiu manter a Baixada Santista na Zona Vermelha por pelo menos mais dez dias. A promessa inicial seria de confirmar as nove cidades da Região como aptas a reabrir parte do comércio já nesta quarta-feira (3), mas as autoridades da saúde decidiram adiar o prazo por mais 12 dias até que se tenha a confirmação de que os leitos de UTI da Baixada demonstram diminuição em suas taxas de ocupação com pacientes infectados pelo novo coronavírus.

As determinações do Governo do Estado e do Secretário de Desenvolvimento Marco Vinholi foram utilizadas pelos promotores para tentar dissuadir o chefe do Executivo santista de sua decisão de contrariar São Paulo.

Em documento, o Ministério Público aponta que as atitudes das autoridades das nove cidades não possuem embasamento ou evidências de caráter científico e que coloquem a saúde dos moradores da cidade em primeiro lugar.

Atualmente, Santos possui 4447 confirmados da doença e 86 pessoas estão internadas em leitos de unidades de tratamento intensivo (UTIs). Apesar de já ter registrado 3.036 pessoas recuperadas do coronavírus, o município também já contabilizou 166 mortes.