X

Santos

Mês da Mulher: projeto em Santos ajuda vítimas de violência a alcançar independência

A iniciativa oferece 12 programas sob os pilares Pedagogia, Jurídico, Saúde, Empreendedorismo e Social

Da Reportagem

Publicado em 05/03/2023 às 13:32

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Projeto oferece cursos de qualificação profissional e atendimento integral a famílias / Divulgação/PMS

Devolvendo independência a mulheres que passaram por diversos tipos de violência ao longo da vida, o projeto Mulheres Solidárias Metropolitanas (MSM) completa 8 anos de atuação na próxima quarta-feira (8), Dia Internacional da Mulher. Além de orientação jurídica, terapêutica e social, o programa ainda oferece qualificação profissional e suporte pedagógico a famílias, tudo gratuitamente.

“Nosso objetivo é pegar essa mulher vitimizada, qualificá-la e dar independência financeira para que ela se liberte do parceiro que fez tanto mal à vida dela, e permitir que seus filhos cresçam saudáveis e com a parte emocional tranquila”, afirmou a presidente da instituição que fica na Areia Branca, na Zona Noroeste de Santos, Fabiana Mota.

Atendendo 150 mulheres vítimas de violência por mês e cerca de duas mil famílias por ano, a iniciativa oferece 12 programas sob os pilares Pedagogia, Jurídico, Saúde, Empreendedorismo e Social. A ideia é que a mulher e sua família tenham assistência integral durante a transição para uma nova - e melhor - fase da vida.

“Ano passado, uma moça da área dos Morros conseguiu se libertar desse ciclo de violência, junto dos seus três filhos. Fez o nosso curso e hoje está trabalhando por conta própria. Ela abriu o próprio negócio após dois anos com a gente”, afirmou a presidente.

O MSM possui núcleos em cinco cidades da Baixada Santista: Santos, São Vicente, Praia Grande, Cubatão, e Guarujá, somando mais de 60 voluntários. Os gastos com o programa também são custeados por doações de pessoas físicas ou jurídicas, que contribuem com valores em dinheiro e itens necessários para as ações (veja abaixo como ajudar).

Em dezembro do ano passado, inclusive, o projeto ganhou incentivo no valor de R$ 6 mil do Grupo Tribuna, ao vencer o Prêmio Comunidade em Ação, promovido pela empresa com o objetivo de valorizar ações voluntárias em benefício de causas sociais na Baixada Santista.

"Foi um reconhecimento ao nosso trabalho de amor, acolhimento e solidariedade, que abre portas, dá voz a essas mulheres e libertou mais de 200 vítimas no ano passado. No dia 8 de março, eu digo que a nossa luta continua, porque ela está longe de acabar, mas unidas, conseguimos amenizá-la", declarou a presidente do MSM.

ATENDIMENTO INTEGRAL

O projeto Mulheres Solidárias Metropolitanas atende a pessoas a partir dos cinco anos de idade e, principalmente, mulheres vítimas de violência, seja física, patrimonial, sexual, psicológica ou moral. Ao se inscrever, a vítima passa por triagem com assistente social e, se aprovada para ingressar no projeto, recebe atendimento psicológico, seguido pela busca dos direitos da usuária perante a Justiça.

No programa, tanto a mulher quanto sua família, sejam filhos ou pais idosos, são acolhidos. A mulher realiza cursos de qualificação profissional, enquanto as crianças participam de atividades pedagógicas e, os idosos, ações exclusivas para a terceira idade. Também há programa para futuras mães, para preparar as gestantes para a maternidade, no qual ganham enxoval e produtos de higiene, além de haver entrega de cestas básicas para famílias em situação de insegurança alimentar.

Entre os cursos presenciais, as inscritas podem estudar manicure e pedicure, depilação, alongamento de unhas, trancista, recepção e Gestão Humana, que as prepara para o primeiro emprego. On-line, são mais de 100 opções nas áreas de Administração, Logística, Saúde e Informática. As capacitações têm duração média de 20 horas e todas contam com certificado.

"E dali por diante, damos oportunidade para a mulher voltar à sociedade de cabeça erguida. Ganhando o próprio dinheiro, ela se vê livre da dependência financeira do parceiro abusivo", explica Fabiana.

INSCRIÇÃO

As inscrições para o Mulheres Solidárias Metropolitanas abrem todo ano, no mês de janeiro, quando atende às terças, das 14h às 19h, sempre com agendamento.

Para se cadastrar, é preciso comparecer à sede do projeto, situada na Sociedade de Melhoramentos da Areia Branca (Rua Tomoichi Kobuchi, 264), portando RG, CPF e comprovante de residência, além dos mesmos documentos dos membros da família. No caso de crianças, também é necessário apresentar carteira de vacinação e histórico escolar.

Dúvidas podem ser esclarecidas on-line, todos os dias, das 10h às 18h, pelo Whatsapp (13) 98810-4124, Instagram ou Facebook.

COMO AJUDAR

É possível ajudar o projeto Mulheres Solidárias Metropolitanas doando qualquer valor por meio do Pix (13) 98129-1950 (celular) ou por transferência bancária para a conta 16679582-8, agência 0001, instituição 380 - PicPay Serviços S.A. Para doar itens, é preciso entrar em contato com o projeto pelos canais de comunicação citados acima.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mongaguá

Suspeito de participação no 'Tribunal do Crime' é preso em Mongaguá

Homem teria ligação com o Primeiro Comando da Capital

Esportes

Assim como Cássio, Santos já teve ídolos que saíram pela porta dos fundos

Problemas financeiros e falta de times competitivos foram os principais motivos

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter