Legislativo segue parecer do TCE e aprova contas de 2013

Apenas Evaldo Stanislau (Rede) se absteve. Tribunal emitiu parecer favorável com recomendações

Comentar
Compartilhar
31 MAI 2016Por Diário do Litoral09h30
Aprovação de contas de 2013 da Prefeitura de Santos teve apenas uma abstenção. Vereador José Lascane destacou que parecer do TCE é “o paraíso para o prefeito”Aprovação de contas de 2013 da Prefeitura de Santos teve apenas uma abstenção. Vereador José Lascane destacou que parecer do TCE é “o paraíso para o prefeito”Foto: Matheus Tagé/DL

A Câmara de Santos seguiu o parecer dado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) e aprovou, com recomendações, as contas da Prefeitura no exercício de 2013.

A aprovação ocorreu ontem, durante a 31ª sessão ordinária do Legislativo. Apenas o vereador Evaldo Stanislau (Rede) se absteve de votar.

“O Tribunal de Contas do Estado dá três níveis de parecer. Para os prefeitos o pior, o óbvio, é o parecer desfavorável. O intermediário é um parecer favorável com ressalvas. Significa que alguns tópicos são separados e receberão pareceres à parte. E o melhor, o paraíso para o prefeito, é o favorável com recomendações. Especialmente, não só do Tribunal de Contas, como da Comissão de Finanças, como em todas as análises de gestões fiscais do município”, explicou o parlamentar José Lascane (PSDB), relator da Comissão de Finanças e Orçamento, que já havia aprovado o parecer do TCE.

Lascane ressaltou o esforço da Administração para ajustar os gastos para não ultrapassar a receita. 

“O prefeito diminuiu a previsão de arrecadação nos seus relatórios de gestão fiscal para R$ 1 bilhão e 697 milhões. Sendo assim, a Prefeitura de Santos conseguiu um superavit de R$ 67 milhões”, destacou o ­vereador. 

Stanislau justificou a abstenção dizendo que não teve ciência do relatório do Tribunal de ­Contas.

“Precisamos aprimorar o nosso regimento interno. Vou apresentar uma emenda para que a gente coloque um aviso mais enfático, que não fique aquela rotina burocrática. Eu e tantos outros não viram, o que pode ser nossa culpa. Mas também para que haja uma audiência pública para discutir com a população o relatório do Tribunal de Contas, que emite um relatório muito importante”, falou o vereador.

O relatório do TCE também chamou a atenção para os investimentos realizados com recursos provenientes do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

A Administração utilizou 99,42% da verba e não sua totalidade. Segundo o TCE, a não correção dessa e de outras eventuais falhas poderá resultar na emissão de um parecer prévio desfavorável no futuro.

“É importante que nós tenhamos sempre essas recomendações como um puxão de orelha importante. É um ponto que temos que estar atentos”, ponderou Marcelo del Bosco (PPS).