Frente busca ser alternativa em Santos

Eleições 2016. Lideranças do DEM, PPS e Rede já realizaram encontros para debater projetos para a cidade

Comentar
Compartilhar
12 JUN 2016Por Diário do Litoral11h00
Quem frequenta os cafés e restaurantes no Centro de Santos tem se acostumado a ver juntos os vereadores Douglas Gonçalves (DEM), Evaldo Stanislau (Rede Solidariedade) e Marcelo Del Bosco (PPS)Quem frequenta os cafés e restaurantes no Centro de Santos tem se acostumado a ver juntos os vereadores Douglas Gonçalves (DEM), Evaldo Stanislau (Rede Solidariedade) e Marcelo Del Bosco (PPS)Foto: Reprodução

Quem frequenta os cafés e restaurantes no Centro de Santos tem se acostumado a ver juntos os vereadores Douglas Gonçalves (DEM), Evaldo Stanislau (Rede Solidariedade) e Marcelo Del Bosco (PPS).

Os três sempre postam fotos dos encontros entre os parlamentares. Em pauta, o futuro de Santos. Eles iniciaram o que chamam de “frente de propostas” para o município, no intuito de debater os problemas e discutir soluções para a cidade.

Del Bosco e Stanislau são pré-candidatos à Prefeitura de Santos. Já pelo DEM, o indicado é Moysés Fernandes. No último encontro, eles ganharam a companhia do jornalista Paulo Schiff, nome forte do PDT, e garantem ter conversas com mais partidos.

Nesta edição do Papo de Domingo, os representantes da frente falam sobre os encontros, a análise das discussões e a expectativa em relação ao projeto. Confira:

Diário do Litoral - Como surgiu a ideia de realizar esses encontros?
Evaldo Stanislau - Não tem como surgiu a ideia. Foi algo natural. Identificamos que temos em comum uma vontade de mudança. E aí, das conversas que temos no plenário durante as sessões e durante as atividades de vereância começamos a materializar conversas sobre política, sobre a cidade. Portanto, algumas reuniões fora da Câmara envolvem essas pessoas com mandato, sou eu, Douglas e o Marcelo, e pessoas sem mandato, mas que são pré-candidatos, como é o caso do Paulo Schiff que participou da última reunião, e outras pessoas envolvidas na vida política. Outras lideranças da sociedade santista que, aos poucos, vão se agregando a esse projeto que, por enquanto, é um projeto que não é contra o Paulo Alexandre, mas a favor da cidade de Santos, para mostrar que existe uma alternativa para as pessoas, que Santos precisa dessa ­alternativa.

Diário - Qual o objetivo desta frente?
Marcelo Del Bosco - A frente tem como objetivo promover discussões, com vários olhares, sobre o atual panorama de Santos e as mudanças que são necessárias para retomar o crescimento da cidade e poder ofertar mais qualidade de vida aos munícipes.

Diário - Podem sair novas alianças desta frente?
Douglas Gonçalves - Isso é natural. Nesse caso não pode haver, é uma frase que sempre repetimos, melindres e vaidades. Se você quer se unir para formar um grupo que vai discutir o futuro da cidade de Santos, que é a principal cidade da região metropolitana, você tem que pensar na cidade e não na vaidade política. Não é questão de pessoas, é questão de um projeto para a cidade de Santos.

Diário - Qual a análise que você faz desses encontros?
Gonçalves - A mais positiva possível. Eu sou um pouco reticente quando a gente fala de oposição. No meu entendimento, oposição é quando me oponho a algo que existe. Neste caso, é até emblemático. Mas na maioria das vezes as pessoas veem a oposição como alguém do contra e não é essa nossa proposta. Essa frente tem uma proposta diferente desta que está em curso e que tem a frente o atual prefeito, ponto. Tanto essa frente, como o Democratas. Nós temos um projeto que está sendo construído há mais de dois anos. Esse é o projeto que nós vamos apresentar tendo um pré-candidato, que é o Moyses Fernandes, e que no momento oportuno veremos se é importante que ele saia candidato ou que faça parte de uma composição. Isso discutiremos lá na frente. Mas o mais importante é ter essa discussão da cidade de Santos. Essa discussão se faz com pessoas que acabam tendo o mesmo pensamento. Pensamento, inclusive, da maioria da população segundo a pesquisa publicada pelo Diário do Litoral, que é uma renovação daquilo que o Executivo implementa hoje.

Stanislau - Bastante boa, no sentido que a gente consegue capturar, de vários segmentos da sociedade, que nossa visão não é isolada. Isso repercute na sociedade e as pessoas veem com simpatia a aliança que está sendo formada. A partir dessas reuniões temos avançado em conversas de tática político-eleitoral, inclusive. É um avanço e que precisamos acelerar porque a pré-campanha e campanha este ano serão breves. As pessoas precisam, efetivamente, identificar quem são os candidatos com quem elas podem contar para ter como alternativa ao que aí está.

Del Bosco - Vejo como extremamente válido e positivo, é necessário sempre, em qualquer esfera de Poder, você discutir sua cidade, sua região, a discussão é de extrema importância, sem discussão política quem perde é a cidade como um todo.

Diário - Qual a sua expectativa sobre o que está sendo debatido?
Gonçalves - A expectativa é a melhor possível. Eu vejo de outros partidos, não quero citar para que não haja constrangimento de algumas pessoas, mas posso afiançar que alguns dos partidos que hoje acenam com a possibilidade de estar na campanha à reeleição do atual prefeito já tem conversado com a gente. Isso prova que esses partidos, ou alguns deles, querem sentir a firmeza dessa frente que nós estamos compondo. Que fazem parte o PPS, o Democratas, a Rede, o PDT, o PRB, o PMB, o PSL. Alguns componentes já estão conversando com a gente para que lá na frente eles possam compor, aumentando o número de partidos desta frente. A expectativa é a melhor possível porque, senão, não haveria razão de ser.

Stanislau - É a melhor possível. Não há um alinhamento ideológico 100%, evidentemente. Cada um dos seres políticos que estão presentes tem as suas convicções ideológicas e políticas. Não queremos concordar em tudo, mas conseguimos concordar e convergir em pontos críticos. Minha expectativa é a melhor possível para que consigamos construir uma alternativa para a cidade de Santos em cima de programa, de conceitos melhores dos que aí estão. Eu acho que desta frente teremos algumas alternativas para fazer frente ao atual governo nesta disputa eleitoral que aí está. E mais do que isso, tenho um pressentimento que a sociedade de Santos vai acolher com muito sucesso essa alternativa que estamos criando. Seguramente teremos uma eleição bem disputada, acirrada e que, com grande certeza, teremos um segundo turno para que as pessoas possam escolher o que elas ­querem para si.

Del Bosco - A expectativa é que Santos ganhe com isso, com essas discussões, com esses encontros, com as ideias que irão sair desses ­encontros.