Estado endurece passagem para a Zona Verde, mas Baixada Santista segue 'amarela'

A região do Vale do Ribeira, entretanto, sofreu um revés e retornou para a Zona Laranja do Plano SP

Comentar
Compartilhar
08 JAN 2021Por LG Rodrigues13h20
Estado decidiu dificultar entrada das regiões na Zona Verde, mas Baixada não retrocedeuFoto: Reprodução / Youtube

O Governo do Estado de São Paulo divulgou no começo da tarde desta sexta-feira (8) que tornará mais rígida a ascensão das regiões que estão na Zona Amarela e almejam entrar na Zona Verde durante a pandemia do novo coronavírus. Apesar disso, a classificação atual das nove cidades da Baixada Santista não sofreu mudanças e os municípios caiçaras seguem na Fase 3.

Segundo afirmou o Coordenador do Centro de Contingência do Covid-19, Paulo Menezes, a mudança foi necessária porque o Governo do Estado verificou que a entrada na Zona Verde mostrou que a população das regiões que estiveram na Fase 4 relaxaram demais e algumas pessoas voltaram a gerar aglomerações por acreditar que a pandemia nas cidades estava controlada.

Anteriormente, para avançar para a Zona Verde, era necessário que a região alcançasse 40 internações por 100 mil habitantes e até cinco óbitos nos últimos 14 dias. A partir de agora, a região precisa alcançar 30 internações por 100 mil habitantes e um máximo de três óbitos nos últimos 14 dias. Já o parâmetro de taxa de ocupação de UTIs da Covid-19 para entrar na fase laranja cai de 75% para 70%.

"O indicador que passamos a monitorar adicionalmente é de casos a cada 100 mil habitantes porque passamos a monitorar nos últimos meses e é o parâmetro que permite uma comparação mais direta com o resto do mundo. Os outros países e Estados todos monitoram casos, mas internações e óbitos varia. São Paulo tem sido um dos poucos locais que monitora todos esses indicadores diariamente", afirmou Patricia Ellen, secretária de desenvolvimento econômico.