Dia da Mulher: em Santos, o comando da tecnologia da informação é com elas

Elas também são maioria entre os servidores do Município, que detém o maior percentual de população feminina no Brasil

Comentar
Compartilhar
07 MAR 2021Por Da Reportagem14h00
Maria Augusta Bezerra da Silva, chefe do Departamento de Tecnologia da Informação de SantosMaria Augusta Bezerra da Silva, chefe do Departamento de Tecnologia da Informação de SantosFoto: ISABELA CARRARI/PMS

No País, a desigualdade de gênero impera na área da tecnologia, com a predominância de homens nos diversos cargos e postos de comando. Na Prefeitura de Santos – cidade do litoral paulista que tem o maior percentual de população feminina entre os municípios brasileiros (54,2%, de acordo com o Censo 2010/IBGE) e 65% de servidoras –, o Departamento de Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicações (Detic) tem, pela primeira vez, três mulheres nos principais cargos de gestão simultaneamente, contribuindo, assim, para mudar um pouco este cenário.

Desde janeiro, a chefe do Detic é a analista de sistemas Maria Augusta Bezerra da Silva, 54 anos, com experiência de quase 30 anos em consultoria empresarial e direção do setor de TI em várias cidades brasileiras. "Sempre valeu muito apostar na carreira de tecnologia, e hoje ainda mais porque temos essa dependência dela. As mulheres que têm propensão para a área devem levar em conta esta opção, sem se deixar influenciar se é um mundo masculino ou feminino", recomenda a especialista.

Criado no final da década de 1990 como Departamento de Informática, o atual Detic teve como primeiro chefe uma mulher, Maria Cecília Capelache, e, recentemente, no final de 2020, o comando temporário de Eliana Marinho de Souza, 66 anos, atual coordenadora de Tecnologia da Informação (Coti). A Coti fica responsável pelo desenvolvimento e supervisão dos sistemas utilizados pelo Município, como o Processos Digitais e o CPNet (controle de processos).

Formada em matemática e especializada em programação e análise de sistemas, Eliana conta que, em todos os lugares que trabalhou durante a carreira, as mulheres sempre foram respeitadas e acredita que algumas das suas habilidades são importantes em cargos de gestão. "A mulher geralmente tem mais paciência e ouve mais. Temos muitos papeis além do trabalho, como o de cuidar dos filhos, pais ou marido, e esta versatilidade ajuda em cargos de liderança".

 

Minoria

O estudo Retrato de Desigualdade de Gênero em Tecnologia, da plataforma de recrutamento digital Revelo, mostra que entre as carreiras de tecnologia há algumas com menor presença de mulheres, como a de desenvolvimento, que tem apenas 13% de mulheres, contra 87% de homens.  Uma área de atuação que também sofre é a de infraestrutura, que cuida da parte de manutenção dos computadores e redes, quase predominantemente ocupada por homens.

Na Administração Municipal, este trabalho fica a cargo da Coordenadoria de Engenharia da Informação (Coengi), cuja chefe há dois meses é a servidora Geisa Bertacchini Silva, 43 anos, com formação em gestão de RH e conhecimento em ciência da computação. Desde 2018 no Departamento de Tecnologia da Informação, ela já atuou na Seção de Benefícios e Direitos da Secretaria de Gestão e ajudou a implementar os processos digitais neste setor em 2015. "Sempre gostei da tecnologia, porque é uma área que está sempre mudando e cada vez melhor, o que é muito encantador". 

Meritocracia – O secretário municipal de Planejamento e Inovação, Fábio Ferraz, destaca que a escolha dos profissionais que comandam os setores de TI da Prefeitura segue, estritamente, aspectos técnicos, não havendo distinção por questões de gênero.  "Santos tem o maior percentual de população feminina entre os municípios brasileiros, gosta e investe muito em tecnologia e é considerada uma das cidades mais inteligentes do País. Aqui, as mulheres têm avançado muito nesta área e, cada vez mais, conquistam seus espaços", ressalta.

De acordo com o Mapa do Emprego Paulista, da Fundação Seade, no estado de São Paulo havia, em 2017, um total de 190.793 pessoas com vínculos em atividades de serviços de tecnologia e de informação, sendo 64,5% de homens (123.095). Em Santos, eram 696 pessoas e, destas, 58,3% de homens (406), o que indica maior participação feminina no setor de tecnologia na Cidade, correspondente a 41,7%, contra 35,5% no Estado.

           

ESTÍMULO

O prefeito Rogério Santos revela que o seu governo tem como meta intensificar o estímulo à tecnologia, especialmente com a criação de um hub de inovação na sede do Parque Tecnológico de Santos e o oferecimento de cursos nas sete Vilas Criativas da Cidade, espaços para a capacitação profissional e o desenvolvimento humano.

"Em todas as iniciativas vamos dar oportunidade para que mais mulheres tenham contato com a área da tecnologia, aprimorem suas habilidades e, com isso, desenvolvam seus negócios e ocupem as vagas de trabalho que surgirem no segmento. O empreendedorismo é fundamental para a sociedade, gerando renda e empregos, e a participação feminina é fundamental nesse processo".

 

No topo

Na Prefeitura de Santos, há 11.447 servidores, sendo 7.475 mulheres (65%). Há um total de 1.225 cargos de comando, entre assessoria técnica e chefias de seções, coordenadorias, departamentos e secretarias. Destes, 571 estão ocupados por mulheres (46,6%) e 568 por homens (46,3%), e o restante temporariamente vago (processo de nomeação).

No primeiro escalão do governo, além da vice-prefeita Renata Bravo, há mulheres à frente das secretarias de Educação; Empreendedorismo, Economia Criativa e Turismo; Infraestrutura e Edificações; Procuradoria Geral do Município; Fundo Social de Solidariedade e Capep-Saúde (autarquia do sistema de saúde dos servidores).  

Graduada em Administração e Direito, com especialização em Recursos Humanos, Renata Bravo tem perfil inovador e já atuou como consultora do Sebrae na área do empreendedorismo. "O empoderamento feminino é um movimento fundamental, que contribui com as políticas públicas defendidas pela nossa gestão para um mundo mais igualitário. Ficamos muito felizes em ajudar e conviver diariamente com tantas mulheres qualificadas e comprometidas que atuam em todos os níveis da Prefeitura. E, o mais importante, por elas serem reconhecidas pelo trabalho realizado".