Deck do Pescador segue em obras para recuperar dimensão original em Santos

Trata-se da segunda etapa de recuperação do espaço turístico localizado na Avenida Almirante Saldanha da Gama

Comentar
Compartilhar
03 JUL 2020Por Da Reportagem16h30
A Prefeitura elaborou o projeto executivo que, além da ampliação, incluiu uma outra rampa, para barcosFoto: Prefeitura Municipal de Santos

Setenta metros de extensão para pesca ou simplesmente para apreciar imagens maravilhosas e o entra e sai de navios no porto. É a volta do Deck do Pescador, com o seu tamanho original. A obra tem metade dos serviços prontos e previsão de entrega para agosto.

Trata-se da segunda etapa de recuperação do espaço turístico localizado na Avenida Almirante Saldanha da Gama, em frente ao número 192, na Ponta da Praia, após a antiga estrutura ter ficado comprometida por uma forte ressaca.

“Os trabalhos estão concentrados na estrutura. Atualmente, 80% das estacas e das bases que vão sustentar as vigas de apoio do deck foram instaladas. O próximo serviço previsto é o içamento das vigas, com a ajuda de um guindaste”, diz o engenheiro Nilson Barreiro, da Secretaria de Infraestrutura e Edificações.

ESTRUTURA REFORÇADA
A Prefeitura elaborou o projeto executivo que, além da ampliação, incluiu uma outra rampa, para barcos. A estrutura foi pensada para suportar os efeitos das ressacas. O piso de madeira será substituído por uma laje de concreto. Esteticamente, ficará similar à estrutura original, mas com ajustes para compatibilizar com o reforço da nova estrutura.
 
Os serviços são totalmente custeados pela iniciativa privada, por meio de uma compensação ao Município exigida por lei e fazem parte do termo de compromisso que envolve as obras da Nova Ponta da Praia.

PRIMEIRA ETAPA 
A primeira etapa de recuperação do Deck do Pescador foi entregue em dezembro de 2018. Lanchonete, pequena loja com artigos de pesca, dois sanitários, sendo um adaptado, cobertura em policarbonato, guarda-corpos e piso cerâmico receberam melhorias para recuperação dos estragos provocados por forte ressaca.
 
A obra incluiu a remoção de parte da estrutura, comprometida pela ressaca. Mais de 50 toneladas de concreto foram removidas com auxílio de dois mergulhadores e um guindaste. O material foi para empresa especializada responsável pela trituração do concreto e a destinação final ambientalmente adequada.