Governo do SP educacao
Governo do SP educacao mob

Dados científicos determinarão fim da quarentena na Baixada, diz Paulo Alexandre

Prefeito condena 'achismo' disseminado pelas redes sociais e afirma que grupo estuda como a quarentena pode ser encerrada

Comentar
Compartilhar
15 ABR 2020Por LG Rodrigues12h43
Paulo Alexandre Barbosa diz que retomada das atividades não deverá ocorrer de forma abruptaFoto: Nair Bueno/Diário do Litoral

O prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), afirmou durante entrevista que a retomada da rotina normal na Baixada Santista só irá acontecer após profunda análise de dados científicos e números de casos de pessoas doentes na Região para avaliar como está ocorrendo a contaminação. Ele afirmou que o isolamento social ainda é a principal forma de frear a doença e condenou o 'achismo' disseminado pelas redes sociais.

Segundo o chefe do Executivo santista, o momento ainda não é de retomada do comércio e todos os municípios da Baixada Santista concordaram em manter firma a quarentena imposta pelo Governo do Estado e que terminaria no próximo dia 22 de abril, mas que pode ser prorrogada.

A entrevista concedida por Paulo Alexandre Barbosa ocorreu logo após o fim de mais uma reunião do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb) que conta com todos os nove prefeitos da Região.

“Criamos um grupo na região para estudar as regras e normas de como proceder a partir do dia 22, quando a quarentena imposta pelo Governo acaba, mas não será nada abrupto, será feito de forma gradual e com regras. Estamos estudando e isso vai depender da evolução dos casos, do número de pessoas doentes, de óbitos. Todos queremos retomar as atividades econômicas, as prefeituras sofreram com abrupta queda no arrecadamento, mas precisamos ter muita responsabilidade para não autorizar algo e ter que retroceder, recuar dessas decisões. Basearemos tudo em informações científicas e técnicas”, afirmou.

Paulo Alexandre Barbosa aproveitou a oportunidade também para destacar que compreende o momento difícil vivido por muitos moradores e comerciantes que não se sentem bem devido à quarentena imposta e que precisam trabalhar para pagar suas contas, mas pede calma para que o momento não se torne ainda pior.

“A gente compreende a angústia e ansiedade das pessoas de retomar suas vidas, mas o isolamento no mundo todo se mostrou como a única forma efetivas para combater o coronavírus. Temos falado disso desde o início, mas reforçamos, temos uma população idosa que é a maior do Brasil. Óbvio que queremos que os números nos ajudem a retomar, mas precisamos de informações técnicas”, diz.

Ele disse ainda que entende a vontade da população de retomar a rotina de antes da pandemia, mas também condenou movimentos das redes sociais que tentam justificar o fim da quarentena com informações imprecisas.

“Há muito achismo nas redes sociais, mas nossa base é científica e com pessoas que estudaram e se prepararam para isso”.
Por fim, ele se demonstrou preocupado com o feriado prolongado de Tiradentes que já se encontra próximo e destacou que deverá pedir ajuda ao governador João Doria para impedir que a Baixada Santista seja destino de turistas que pretendam burlar a quarentena.

“Temos um feriado prolongado, mais um, que nos preocupa e pediremos apoio do Estado para reforçar os bloqueios de acesso à Baixada Santista”, conclui