Baixada Santista volta à Zona Laranja e passa a fechar tudo às 20h a partir de segunda

Aumento perigoso de óbitos e casos em todo o Estado de São Paulo após as festas de fim de ano deixaram autoridades em alerta

Comentar
Compartilhar
22 JAN 2021Por LG Rodrigues13h24
Baixada Santista voltou á Zona Laranja nesta segunda quinzena de janeiroFoto: Reprodução

O governador João Doria (PSDB) anunciou no começo da tarde desta sexta-feira (22) o rebaixamento da Baixada Santista para à fase laranja do Plano SP.  A decisão foi tomada após reunião nesta quinta-feira (21), no Palácio dos Bandeirantes, onde as autoridades de saúde do Estado discutiram sobre o perigoso aumento de casos nos 645 municípios nestas últimas semanas.

Doria iniciou a coletiva afirmando que o Governo tomou a decisão de reabrir hospitais de campanha em alguns municípios e decidiu também adiar a volta às aulas no sistema público em todo o Estado. As equipes de saúde afirmaram que o momento é similar ao do começo da pandemia no Estado, mas com um diferencial que levantou grande preocupação: A Capital, interior e litoral demonstram aumento de casos e mortes ao mesmo tempo.

A Região, assim como todo o restante do Estado de São Paulo, observou um perigoso aumento do número de óbitos em decorrência da Covid-19 neste fim da primeira quinzena de 2021. Dentre os cinco índices analisados diariamente pela Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, Santos, São Vicente, Praia Grande, Guarujá, Bertioga, Peruíbe, Itanhaém, Mongaguá e Cubatão seguem com 45,7% dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) dedicados a pacientes com Covid-19 em 43% e os leitos para cada 100 mil habitantes em 22,7%, ambos em áreas que classificariam a Baixada Santista para a Zona Verde. Entretanto, os três índices restantes, que têm maior peso na classificação final, seguem em áreas perigosas.

Os novos casos a cada 100 mil habitantes chegaram à marca de 228,4 e as novas internações a cada 100 mil habitantes estão em 29,8. Já quando se trata dos novos óbitos por 100 mil moradores, a região caiçara tem o terceiro pior índice de todo o Estado: 9,7 e só se encontra atrás de Araçatuba e São José do Rio Preto.

Com a adesão da Região à Zona Vermelha durante os horários noturnos, apenas farmácias, mercados, padarias, postos de combustíveis, meios de transporte coletivos (ônibus e VLT), serviços de hotelaria e delivery de restaurantes e lanchonetes estarão autorizados a funcionar. Apesar de não existir nenhuma recomendação nova para as cidades da Baixada Santista, as autoridades relembraram recomendações para quem frequenta a faixa de areia.

"As nossas recomendações são para que as pessoas façam apenas atividades individuais nas praias. Nós tivemos um aumento exponencial no fim de ano devido às festas de Natal e Réveillon e essa recomendação deve ser seguida por todos os prefeitos das cidades litorâneas", afirmou Marco Vinholi, secretário de desenvolvimento regional do Estado de São Paulo.