X
Santos

Baixada Santista tem ampla rede de apoio psicossocial

Mais de 100 mil pessoas são atendidas nos serviços gratuitos; locais proporcionam inclusão para familiares e pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas

Com a rede mais abrangente, Santos conta com 13 serviços de apoio psicossocial, sendo cinco CAPS, três CAPSi e uma unida do Núcleo de Atenção ao Toxicodependente / Matheus Tagé/DL

Como resultado da política pública que estabelece novas formas de tratar a Saúde Mental, os serviços de atendimento à população estão organizados no âmbito da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). Ao todo, são sete componentes, o que diminui a necessidade de leitos de saúde mental. Na Baixada Santista, 105.040 pessoas usufruem dos serviços gratuitos disponíveis nos espaços.

São eles: a Atenção Básica, utilizando as Unidades Básicas de Saúde, Núcleos de Apoio a Saúde da Família, Consultórios na Rua, Apoio aos Serviços do componente Atenção Residencial de Caráter Transitório e Centros de Convivência e Cultura; Atenção Psicossocial Especializada: Centros de Atenção Psicossocial, nas suas diferentes modalidades; Atenção de Urgência e Emergência; Atenção Residencial de Caráter Transitório, a partir das Unidades de Acolhimento; Atenção Hospitalar, a partir de leitos de saúde mental em hospitais gerais; Estratégias de Desinstitucionalização, por meio de Serviços Residenciais Terapêuticos, Programa de Volta Para Casa e Programa de  Desinstitucionalização; e Estratégias de Reabilitação Psicossocial, através de iniciativas de trabalho e geração de renda, empreendimentos solidários e cooperativas sociais.

Com a rede mais abrangente, Santos conta com 13 serviços de apoio psicossocial, sendo cinco CAPS, três CAPSi e uma unidade do Núcleo de Atenção ao Toxicodependente. No total, 42.982 pessoas usufruem dos serviços. Há atendimento especializado para crianças e programas como o ‘Tô Ligado’, destinado para adolescentes.

São Vicente conta com seis CAPS (Centro de Atenção Psicossocial). No total, 31.289 vicentinos estão cadastrados nos serviços. A Secretaria de Saúde (Sesau) oferece nos CAPS II: medicação assistida, hospitalidade dia, grupos terapêuticos, oficinas de terapia ocupacional de diversas modalidades (recicláveis, arte em tecidos, jardinagem, expressão corporal entre outras), além dos atendimentos em serviço social, psicologia, enfermagem e psiquiatria.

A Sesau dispõe de cinco de hospitalidade integral no CAPS III Mater e há casos, segundo avaliação médica, que são solicitadas vagas no PAI.

Em Guarujá, 2.371 pessoas estão cadastradas nas cinco unidades de apoio psicossocial do município. Atividades artísticas e oficinas fazem parte do funcionamento dos espaços.

Bertioga possui 1 unidade de Atenção Especializada em Apoio Psicossocial, o CAPS, que oferta atendimento psiquiátrico, psicológico, serviço social e de enfermagem. A Rede de Atenção Psicossocial envolve SAMU, Pronto Socorro e Hospital Bertioga para os casos de urgência. São oferecidos variados grupos e oficinas, como: oficinas de artesanato e desenho, espaço de convivência, roda de conversa, grupo de orientação social, grupo de medicação, grupo de apoio à família e grupo de apoio ao dependente químico. Cerca de quatro mil pacientes estão cadastrados, incluindo ativos e inativos porém são atendidos em média 350 pacientes por mês.

O município de Cubatão conta com três unidades de apoio psicossocial. 6.100 pessoas utilizam os serviços entre CAPS, Ambulatório de Saúde Mental e Caps AD (Álcool e Drogas). As unidades contam com equipe multiprofissional e há oficinas terapêuticas de artesanato. Os pacientes que passam o dia nas unidades contam com uma oficina diferenciada por dia. Atualmente há programa de arte e inclusão mantido pelo Governo do Estado, o Arte nas Cotas.

A cidade de Praia Grande inaugurou duas unidades do Centro de Atenção Psicossocial em janeiro deste ano e reforçou a rede de atendimento psicossocial. Os novos equipamentos são os Centros de Atendimento Psicossocial Infantil (Caps i) e o Álcool e Drogas (Caps AD). Além disso, são dois Caps II, um no Bairro Boqueirão e outro na  Mirim, dividindo a Cidade em duas regiões para este tipo de atendimento. Desta forma os serviços prestados ganham em agilidade.

O Município tem como foco para este tipo de atendimento privilegiar a sociabilização e ressaltar este aspecto para motivar os atendidos e os integrantes de suas famílias. Trabalhos em grupo como aulas de pintura, artesanato, horta comunitário, além de apresentações artísticas e eventos alusivos a datas comemorativas, como carnaval, festa junina, são realizados e reforçam esta prática. No total, 9.598 pessoas estão cadastras nos serviços.

Litoral Sul. Mongaguá tem uma Unidade de Saúde Mental, localizada no bairro Vera Cruz. O local recebe as demandas das demais unidades de saúde e avalia caso a caso a necessidade dos pacientes.

Há cerca de 4.500 pacientes cadastrados na unidade, que tem dois psiquiatras e três psicólogos, além de equipe de apoio e administração. No local há atendimento básico, ambulatorial e de orientações aos pacientes.  

Atualmente a RAPS de Peruíbe só conta com o CAPS I na atenção especializada. No local há oficinas de fibra de bananeira, horta, terapia ocupacional, grupo de prevenção a recaída ao uso de álcool e drogas, grupo de leitura, além dos atendimentos individuais (médico, psicológico e social). Há cerca de 700 pessoas cadastradas. O município não conta com nenhum leito psiquiátrico. 

Itanhaém possui três unidades de apoio psicossocial. No tratamento, a unidade realiza grupos de família, oficinas terapêuticas, acolhimento, atendimento dia, grupos terapêuticos e visita domiciliar. Há cerca de 3.500 pessoas cadastradas.

A cidade ainda não tem leitos psiquiátricos (aguardando Hospital Regional Jorge Rossmann) e as emergências são atendidas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Havendo necessidade de internamento, o paciente é encaminhado para o PAI - Polo de Atendimento Intensivo, em Santos e/ou Comunidades Terapêuticas.

“Vale ressaltar que a internação é utilizada como último recurso. Considerando a política de Saúde Mental do Ministério da Saúde toda pessoa que necessita de cuidados em saúde mental devem ser atendidas no Município. Observa-se então, desde 2011, com a criação do Programa Cuidar, um grande investimento direcionado à Saúde Mental”, informa a Administração.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

PM é executado com tiro nas costas em Praia Grande e corpo é deixado em São Vicente

Policial militar Jeferson Chapani Szklarski, de 38 anos, foi morto em beco de Praia Grande, mas seu corpo foi levado até os criminosos para ser abandonado em São Vicente

PANDEMIA

Uso da Coronavac em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos é aprovado pela Anvisa

A aprovação foi por unanimidade

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software