Baixada Santista fará parte de protesto contra Bolsonaro neste sábado

Movimentos estudantis, partidos, associações e outras instituições farão parte das manifestações

Comentar
Compartilhar
28 MAI 2021Por Da Reportagem11h35
Em meio a CPI da Covid, Bolsonaro também será alvo de protestos neste fim de semanaEm meio a CPI da Covid, Bolsonaro também será alvo de protestos neste fim de semanaFoto: Alan Santos/PR

Mais de 100 cidades, contando com pelo menos 27 capitais, têm protestos contra o presidente Jair Bolsonaro marcados para este sábado (29) e isso também inclui municípios da Baixada Santista.

As manifestações, de acordo com a apuração da Folha de São Paulo, são realizadas por lideranças de esquerda com o objetivo de desgastar o presidente em meio à CPI da Covid. Apesar de partidos e movimentos envolvidos na convocação afirmarem que o mote 'Fora, Bolsonaro' traduz o desejo de afastamento imediato, há consenso que existem obstáculos para o desenrolar do processo, o que torna o impeachment em algo ainda distante.

No litoral paulista, o ato '#29M Baixada Santista: Fora Bolsonaro, cortes não! Queremos Vida, Pão, Vacina e Educação' acontecerá na Estação da Cidadania, localizada na Avenida Ana Costa, 340, Campo Grande a partir das 16h.

As atividades, entretanto, se iniciam um pouco antes, no campus da Unifesp, a partir das 14h, e segue em marcha até o ato unificado onde os estudantes se unem aos representantes das forças progressistas da cidade.

Em comunicado, o movimento estudantil, trabalhadoras e trabalhadores, sindicatos, movimento negro e de mulheres e partidos progressistas afirmam que vão às ruas pelo 'fim do governo genocida, por comida e vacina para todes'.

Até o momento, mais de 455 mil pessoas já foram vítimas fatais devido à pandemia de coronavírus e a CPI da Covid-19 tem apontado para equívocos cometidos pelo Governo Federal durante o combate à doença.

"Defendemos a preservação da vida e o isolamento social, mas o governo já demonstrou que é tão perigoso e nocivo quanto o vírus, assim precisamos transformar nosso luto em luta para ecoar a voz de um povo que resiste", afirma, em nota, o PSOL. 

Os organizadores afirmam que  todos os participantes deverão seguir as medidas de segurança sanitária, o que inclui, o uso obrigatório de máscara (preferencialmente PFF2); Distanciamento das pessoas; uso de álcool gel; levar cartazes pronto de casa. Por fim, todas as pessoas que apresentarem algum sintoma similar a gripe, deverão ficar em casa.