Baixada Santista deve acatar 'toque de restrição' do Estado

Cidades aprovam medida tomada pelo Governo de João Doria e devem fechar comércios entre 23h e 5h durante as próximas semanas

Comentar
Compartilhar
25 FEV 2021Por Da Reportagem13h15
São Vicente foi uma das cidades que já afirmou que atenderá pedido do EstadoSão Vicente foi uma das cidades que já afirmou que atenderá pedido do EstadoFoto: Divulgação/PMSV

Algumas das cidades da Baixada Santista já anunciaram que deverão acatar as determinações do Governo do Estado de São Paulo e irão aderir ao 'toque de restrição' anunciado nesta quarta-feira (24) durante coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes, na Capital.

As novas regras do Estado entram em vigor a partir desta sexta-feira (26) e valem pelo menos até 14 de março. Segundo as autoridades estaduais, a medida determina a restrição de circulação das 23h às 5h em todo o Estado.

Apesar de ter gerado certa confusão entre o público, Doria utilizou de seu tempo de falar durante a coletiva para apontar que a medida não se trata exatamente de um 'toque de recolher', mas sim de uma ação mais branda e mais distante de um lockdown.

"Dado ao fato de que chegamos ao recorde de internados com Covid-19 no sistema hospitalar de São Paulo, o governo de São Paulo, atendendo expressa recomendação do centro de contingência, decreta restrição de circulação de pessoas das 23h às 5h em todo o estado", disse o governador João Doria (PSDB).

Dentre alguns exemplos, o tranporte público não será interrompido, mas passará por restrição e um processo de limitação. Em contrapartida, o Governo do Estado afirma que, desta vez, fará uma força-tarefa para ampliar a fiscalização.

Ao menos Mongaguá, São Vicente, Santos e Guarujá já confirmaram que não deverão contrariar as ordens estaduais. A decisão ocorre dois meses após a Baixada Santista ter ignorado diretrizes de João Doria quanto à total restrição de comércios e movimento no litoral paulista durante as festas de fim de ano. Em uma coletiva realizada em janeiro, os secretários estaduais foram enfáticos ao afirmar que a decisão desagradou a administração do Estado e apontaram punições severas em caso de reincidência.

Durante o toque de restrição, serviços essenciais podem abrir sem qualquer impedimento de horários. Entretanto, outros estabelecimentos como bares e restaurantes estão proibidos de quebrar as regras e devem encerrar as atividades antes das 23h e só poderão abrir a partir das 5h.