Baixada chega a 80% de UTIs ocupadas e Região pede que Estado assuma hospital

Em reunião realizada na tarde desta quarta-feira (29), por videoconferência, os nove prefeitos da região decidiram pedir ao governo do Estado que assuma um dos hospitais da região

Comentar
Compartilhar
30 ABR 2020Por Da Reportagem08h35
O Conselho segue no monitoramento diário das taxas de ocupação de leitos na regiãoFoto: LG Rodrigues / Diário do Litoral

Com taxa de ocupação de leitos de UTI na casa dos 80% na região, o Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb) decidiu manter as medidas restritivas voltadas ao isolamento social como prevenção ao novo coronavírus, além de solicitar ampliação de investimentos por parte dos governos estadual e federal para combater a pandemia.

Em reunião realizada na tarde desta quarta-feira (29), por videoconferência, os nove prefeitos da região decidiram pedir ao governo do Estado que assuma um dos hospitais da região e destine pelo menos 137 respiradores para transformar leitos de enfermaria em UTIs.

"Vamos solicitar que o Estado assuma um hospital que já esteja pronto na Baixada Santista para que se torne um Centro de Referência Regional de Combate à covid-19. Santos, Praia Grande, Cubatão e Itanhaém têm equipamentos que podem ser assumidos pelo Estado", afirma Paulo Alexandre Barbosa, presidente do Condesb e prefeito de Santos. Outros pleitos serão dirigidos à União.

O Conselho segue no monitoramento diário das taxas de ocupação de leitos na região – há cidades em que não há mais vagas de UTI disponíveis. A permanência nos leitos por pacientes com covid-19 costuma superar duas semanas, o que diminui a capacidade de atendimento dos hospitais.

"A partir do monitoramento, avaliaremos a necessidade de outras medidas importantes para que tenhamos capacidade de atender a população".