Aquário cria jogo da memória com objetos descartados nas praias

Intuito é de que, durante a brincadeira, se discutam questões como o descarte correto do lixo e a onipresença do plástico

Comentar
Compartilhar
16 JAN 2020Por Da Reportagem11h13
Piffer revela que ideia de jogo da memória surgiu durante a própria tese de mestrado em DesignFoto: Isabela Carrari / Prefeitura Municipal de Santos

Bolas de futebol, bonecos de variados estilos, bichos de pelúcia, chinelos e outros objetos descartados irregularmente nas praias são figuras do jogo da memória que passará a ser utilizado nas aulas de conscientização ambiental promovidas pelo Aquário Municipal para o público infantil.

O material foi doado nesta quarta-feira (15) pelo fotógrafo e arquiteto Marcos Piffer, que já tem as imagens desse trabalho expostas na fachada do equipamento. Segundo ele, o intuito é de que, durante a brincadeira, se discutam questões como “o descarte correto do lixo e a onipresença do plástico, que aparece em lugares errados, além do consumismo exagerado”.

Piffer revela que a ideia surgiu durante a própria tese de mestrado em Design. “Comecei a desenvolver um jogo educativo, que tivesse a ver com o lixo que chega à praia”, conta, lembrando que todo o material fotografado tem relação com a infância. “Há uma analogia com o filme Toy Story (que apresenta brinquedos com vida), com a memória dos objetos deixados e com os sentimentos agregados”.