Prefeitura Santos
Prefeitura Santos Mobile

Após Governo pedir que moradores não viajem, Santos registra chegada de 200 carros

Pedido de membros do Governo do Estado é ignorado e Baixada Santista recebe centenas de veículos neste primeiro dia de megaferiado

Comentar
Compartilhar
20 MAI 2020Por LG Rodrigues12h00
Barreiras sanitárias receberam centenas de carros com placas de São Paulo nesta quarta-feiraFoto: Nair Bueno / Diário do Litoral

Apesar dos inúmeros pedidos de integrantes do Governo do Estado e dos diversos apelos para que a população não trate o megaferiado de seis dias como um período para viajar, dezenas de pessoas pegaram seus automóveis e decidiram deixar os municípios da Região Metropolitana de São Paulo e rumaram em direção ao litoral nesta quarta-feira (20). O resultado pôde ser visto nas vias de acesso às cidades caiçaras, que registraram longas filas de carros e congestionamentos. Segundo autoridades que estavam nas ruas, apenas Santos recebeu mais de 200 automóveis nas últimas horas.

O megaferiado foi uma ação planejada por autoridades na esfera estadual como uma forma de tentar manter a população de São Paulo, Estado mais afetado no Brasil pela pandemia do novo coronavírus, dentro de suas casas e sem pegar transporte público. Dentre as autoridades que pediram para que a população tivesse responsabilidade e ficasse dentro de casa esteve o secretário de Saúde, José Henrique Germann.

"Hoje estamos na véspera de um feriado e eu gostaria de enfatizar que não é um feriado de lazer. É um feriado em casa", afirmou.

O recado, entretanto, não foi entendido pela maioria e o resultado pôde ser visto em algumas das vias de acesso ao município de Santos. A cidade implantou pontos de controle de acesso no Elevado da Alemoa e na Avenida Nossa Senhora de Fátima com a Rua Ana Santos, locais fiscalizados pela CET devido ao tráfego de caminhões. Já a Guarda Civil Municipal permaneceu na Avenida Martins Fontes, no Saboó. Segundo as autoridades, desde o dia 22 de março, 9,5 mil veículos já foram abordados.

Os prefeitos das nove cidades da Baixada Santista chegaram a prever que isso poderia ocorrer e enviaram um pedido ao Governo do Estado para que fossem implantados bloqueios nas vias de acesso à Região, o que incluiria o Sistema Anchieta-Imigrantes. Apesar de ter recebido uma sinalização favorável durante o fim da manhã desta terça-feira (19), o Estado decidiu recuar na intenção de criar bloqueios e afirmou que apenas apoiaria as barreiras sanitárias implantadas pelas nove cidades e que já haviam sido feitas anteriormente em outros feriados prolongados durante os últimos três meses.

 

"O Governo do Estado se comprometeu e nos deu a garantia de que vai sim existir um bloqueio no Sistema Anchieta-Imigrantes, mas não sabemos detalhes. Tudo que sabemos, até o momento, é que ele passará a vigorar de maneira imediata e será destrinchado pelo próprio Governo do Estado nas próximas horas de hoje", disse no início da tarde.

Apesar de ter afirmado que iria colaborar com bloqueios e barreiras, o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi afirmou que não seria possível realizar o bloqueio do SAI.

"Tivemos duas reuniões com os prefeitos da Baixada Santista e delimitamos que não seria possível a interdição de estradas, mas que o Governo do Estado irá apoiar as restrições que os cada uma das cidades implementarem em seus territórios", afirmou.