Vereadores envolvidos são convocados novamente pelo DO

O vereador Helder Saraiva de Albuquerque já havia entregue sua defesa, antes da publicação oficial

Comentar
Compartilhar
19 FEV 201322h09

A comissão processante, constituída na Câmara de Guarujá, que investiga a participação de oito vereadores no esquema de corrupção que ficou conhecido como mensalinho, ainda não recebeu nenhuma defesa prévia dos sete que foram convocados pelo Diário Oficial do Município, no último dia 20. Os editais de citação convocam os vereadores Gilson Fidalgo Salgado, Joaci Cidade Alves, Marcos Evandro Ferreira, Mário Lúcio da Conceição, Nilson de Oliveira Fontes, Sirana Bosonkian e Honorato Tardelli Filho. O vereador Helder Saraiva de Albuquerque já havia entregue sua defesa, antes da publicação oficial.

Segundo o presidente da comissão, vereador Paulo Flávio Affonso Piasenti, as citações foram novamente publicadas no D.O. da última terça-feira. Piasenti explicou que os editais foram publicados porque a comissão não conseguiu localizar os vereadores envolvidos. “Os vereadores tem dez dias úteis para apresentarem suas defesas. Aí o presidente que sou eu, o relator Marcelo Gaspar e o membro Soares (Geraldo Soares Galvão) vamos nos reunir para dar um parecer se continua ou não com a comissão. O parecer será baseado nas defesas dos envolvidos”.

O presidente da comissão esclareceu que se nenhum dos citados apresentarem defesa no prazo determinado, a comissão julgará o caso com base nas denúncias apresentadas e que também são investigadas pelo Ministério Público e pela Justiça, à revelia dos envolvidos. “Se eles não apresentarem defesa, a comissão concluirá o relatório que irá à votação no plenário. Se as denúncias forem acatadas, os acusados podem perder seus mandatos.

Liminar

No dia 18 o juiz da 1a Vara Cível de Guarujá, André Rossi, indeferiu o pedido de liminar para anular a comissão processante. O mandado de segurança foi proposto pelos vereadores Tardelli e Mário Lúcio contra o presidente da Câmara Carlos Eduardo Pirani.

Mensalinho

O esquema de suposto pagamento de propina que também foi denominado como ‘Festa da Tainha’, foi denunciado pelo DL, em setembro do ano passado, com a exibição de gravações feitas no gabinete do então presidente da Casa, Gilson Salgado. Os vereadores envolvidos são acusados de receber R$ 10 mil mensais para aprovarem projetos do Executivo.