Vereador quer que Prefeitura explique duplicidade de contratos

Segundo parlamentar, Prefeitura de Santos contratou duas empresas com preços diferenciados para consertar calçadas danificadas por raízes de arvores

Comentar
Compartilhar
13 JAN 201321h31

O vereador Adilson Júnior (PT) apresentou requerimento na última sessão (23) cobrando explicações da Prefeitura sobre a vigência de dois contratos para o mesmo serviço: o conserto de calçadas danificadas por raízes de árvores.

Segundo o vereador, o primeiro contrato foi fechado dia 19 de agosto de 2010 com a Prisma Engenharia, Gerenciamento e Comércio de Materiais para Construção Ltda. Tais serviços representam R$ 216.885,10 do total do contrato, no valor de R$ 2.130.000,00.

Porém, no dia 17 de maio, o parlamentar notou nova publicação no Diário Oficial do Município com a empresa R1 Construções e Comércio Ltda, no valor de R$ 521.720,48, para o mesmo serviço. Segundo Adilson Júnior, é ilegal realizar dois contratos para a mesma finalidade.

“No contrato da Prisma, além de poda de árvores inclui a reforma de calçadas danificadas pelas raízes das árvores. Na semana passada, a Prefeitura contratou outra empresa para fazer a reforma das calçadas. Estão contratando duas empresas para o mesmo objetivo. Para isso basta aditar o contrato, caso os serviços não fossem concluídos”.

Para esclarecer detalhes do primeiro contrato, o vereador pediu em seu requerimento que a Prefeitura informe as datas e endereços das calçadas que foram consertadas e apresente cópia da planilha de execução.

O parlamentar requereu ainda cópia de inteiro teor do Processo n° 44.066/2010-48, referente ao contrato com a R1 Construções e Comércio Ltda.-ME, e que seja apresentado o estudo técnico que embasou a contratação da R1.

Adilson Júnior afirmou que ainda pretende entrar com uma ação no Ministério Público para que o órgão investigue a duplicidade de contratos. “Se para construir uma UBS (Unidade Básica de Saúde) são gastos cerca de R$ 500 mil, a reforma de calçadas ao valor de R$ 1 milhão é muito dinheiro. Eu quero que a Prefeitura me forneça um estudo que comprove que tenha tanta calçada quebrada por conta de árvores. É muito desperdício de dinheiro público”, disse o parlamentar.

Prefeitura de Santos

Em nota, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semam), por meio do Departamento de Parques e Áreas Verdes (Depav) informou que “tem contrato com a empresa Prisma para realização de serviços de poda, remoção e plantio de árvores e conserto de calçada nos casos de remoção. A Prefeitura terceiriza esses serviços há mais de cinco anos e já contratou outras empresas”.

“Já a Secretaria Municipal de Serviços Públicos (Seserp) constatou a necessidade de recuperação de cerca de três mil trechos de calçadas danificadas por raízes de árvores e para complementar o serviço realizado pela Semam, realizou uma tomada de preços visando contratar uma empresa para realizar esse serviço. A vencedora foi a R1 Construções”, diz a nota.