Transações da filha de Vaccari sugerem lavagem de dinheiro, diz PF

Ao justificarem a prisão de Vaccari, o procurador e o delegado argumentaram que há indícios concretos de que houve "reiteração criminosa" do tesoureiro após a ação penal no caso Bancoop

Comentar
Compartilhar
15 ABR 201511h58

Em entrevista coletiva na sede da Polícia Federal em Curitiba, o delegado Igor Romário de Paula e o procurador Carlos Fernandes Santos Lima explicaram a 12ª fase da Operação Lava Jato, que prendeu o tesoureiro do PT, João Vaccari, colheu depoimento da esposa Giselda Rousie de Lima e ainda procura a cunhada Marice Correa de Lima, que tem prisão temporária decretada. Quebrando o sigilo de Giselda, a força-tarefa da Lava Jato encontrou depósitos não identificados de cerca de R$ 300 mil no período de três anos.

O procurador Carlos Fernandes falou ainda sobre a suspeita de operações de lavagem de dinheiro na conta da filha de Vaccari, Nayara de Lima Vaccari.

Ao justificarem a prisão de Vaccari, o procurador e o delegado argumentaram que há indícios concretos de que houve "reiteração criminosa" do tesoureiro após a ação penal no caso Bancoop. O petista está a caminho de Curitiba, onde ficará preso.

Vaccari é preso em São Paulo em nova etapa da Operação Lava Jato

O procurador Carlos Fernandes falou ainda sobre a suspeita de operações de lavagem de dinheiro na conta da filha de Vaccari (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A força-tarefa identificou ainda o pagamento de propina por corruptores em falsa prestação de serviços por uma gráfica. A gráfica, que segundo o procurador não prestou o serviço pelo qual foi contratada, tem ligações com a Central Única dos Trabalhadores. Os agentes da Lava Jato, porém, não especificaram qual seria essa ligação.

Segundo Carlos Fernandes, a posição de João Vaccari no caso Petrobras é semelhante à de Alberto Youssef. Ambos seriam operadores do esquema ligados a uma organização partidária, ao PT e ao PP, respectivamente.

As informações que basearam as ações desta fase da operação foram fornecidas pelos delatores Paulo Roberto Costa, Alberto Youssef, Júlio Camargo, Augusto Mendonça e Pedro Barusco.