X
Política

Temer recua e deve apoiar nome de lista para vaga de Janot

A avaliação é de que ele não pode correr o risco de se desgastar ainda mais, criando atritos com membros da PGR (Procuradoria-Geral da República)

O presidente Michel Temer pretende seguir um nome da lista tríplice da ANPR / Beto Barata/PR

O presidente Michel Temer pretende seguir um nome da lista tríplice da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) para substituir o atual procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Ele chegou a cogitar não escolher alguém da lista, mas, para evitar a acusação de tentar interferir na Operação Lava Jato, manifestou em conversas reservadas a intenção de respeitá-la.

A avaliação é de que ele não pode correr o risco de se desgastar ainda mais, criando atritos com membros da PGR (Procuradoria-Geral da República). Nas palavras de um aliado presidencial, a categoria jamais iria aceitar uma nomeação de fora.

No Planalto, cresce o favoritismo do subprocurador-geral Mario Bonsaglia, um dos oito candidatos à eleição da ANPR. Ele aparece ao lado da subprocuradora Raquel Dodge como cotado para ficar entre os dois primeiros.

Para a equipe do presidente, além de fazer críticas pontuais a Janot, Bonsaglia é considerado um nome mais aberto ao diálogo e de posições moderadas. Nos bastidores, faz críticas a aspectos técnicos das atuais investigações e ao estilo, avaliado como centralizador, de Janot.

Não há na gestão peemedebista fortes resistências a Raquel, mas uma preocupação com um perfil considerado "imprevisível", o que não seria tão favorável diante de um momento decisivo para o presidente, com apresentação de denúncia contra ele.

A eleição está marcada para terça-feira (27), de 9h às 18h. Os candidatos disputam uma das três vagas da lista tríplice. O resultado será divulgado às 18h30.
Pela Constituição, o presidente pode nomear qualquer integrante do Ministério Público da União com mais de 35 anos. O mandato de Janot termina em 17 de setembro. A lista tríplice foi instaurada em 2001 e, desde 2003, o presidente indica o mais votado.

Em debate promovido pelo jornal "Folha de S.Paulo", na sexta (23), Bonsaglia prometeu dar "todo o apoio aos trabalhos das forças-tarefas de Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo" e disse que os atuais investigadores "se sentirão à vontade de continuar trabalhando" com ele.

Em nota, Bonsaglia disse que, "por questões éticas e por não ter acesso aos processos", não faz críticas ou comentários sobre o trabalho técnico de Janot na Lava Jato.

Já Dodge declarou assegurar "integral e plena continuidade do trabalho contra a corrupção da Lava Jato, Greenfield, Zelotes e todos os demais processos em curso, sem recuar, nem titubear".

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Semana terá clima maluco, por isso, leve guarda-chuva, protetor solar, casaco, para-raio e um bote

Clima indeciso marcará últimos dias de novembro

Brasil

Bolsonaro participa da formatura de cadetes do Exército na Aman

Os 391 cadetes são do 4º ano da Turma Dona Rosa da Fonseca

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software