Temer chama negociações entre as Coreias de 'histórico'

O presidente disse ainda que o caso deve ter repercussões em outros conflitos regionais no sentido de levar a negociações de paz

Comentar
Compartilhar
27 ABR 2018Por Folhapress20h50
A declaração de Temer foi feita durante evento no Palácio do PlanaltoFoto: Divulgação/Fotos Públicas

O presidente Michel Temer comemorou nesta sexta-feira (27) o anúncio de um possível acordo de paz entre a Coreia do Sul e a Corei

a do Norte. Temer definiu o ato como "histórico"."Nós esperamos estar assistindo ao início de uma uma etapa que levará ao estabelecimento definitivo da paz na península coreana."

Ele disse ainda que o caso deve ter repercussões em outros conflitos regionais no sentido de levar a negociações de paz.

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o ditador da Coreia do Norte,  Kim Jong-un, anunciaram nesta sexta que concordaram em retirar todas as armas nucleares da península coreana. Eles também pretendem assinar um acordo de paz até o fim deste ano.

A declaração de Temer foi feita durante evento no Palácio do Planalto para recepcionar o presidente do Chile, Sebastián Piñera.

Durante o encontro dos dois presidentes foram assinados acordos do Brasil com o Chile que visam incentivar compras governamentais entre os dois países, além de um protocolo de investimentos em instituições financeiras.

O Brasil é o principal destino de investimentos dos chilenos, na ordem de US$ 32 bilhões. Por sua vez, tem um montante de US$ 4 bilhões aplicados no Chile.

Após um breve encontro com Piñera, Temer fez um discurso elogiando a cooperação com o país sul-americano.

Entre os pontos destacados, citou a situação da Venezuela, país vizinho cuja realidade política e econômica tem se agravado e levado a muitos de seus cidadãos a buscarem refúgio em locais como Chile e Brasil.

"Nós manifestamos nossa preocupação com os destinos políticos daquele país. Nossa preocupação é com o povo venezuelano. Nós concordamos que não há alternativa para nossa região que não seja pelo regime declaradamente democrático."

Piñera começou sua fala também em tom elogioso, mas disse que a boa relação com o Brasil não se demonstra apenas em números. "É é uma amizade espontânea, natural", disse.

O chileno destacou a aproximação dos dois países no sentido de integrar o Mercosul com a aliança do Pacífico.

"Temos de tomar nos mesmos a liderança dessa convergência entre a Aliança do Pacifico e o Mercosul", disse.