“Sou pré-candidato em razão da catástrofe administrativa que reina em Guarujá”

O professor universitário Sidnei Aranha (PRTB) fala de sua pré-candidatura, em entrevista exclusiva ao DL

Comentar
Compartilhar
24 FEV 201321h17

O advogado e professor universitário de processo civil na Unaerp, Sidnei Aranha, anunciou que é pré-candidato à Prefeitura de Guarujá e deverá concorrer às eleições municipal de 2008. Filiado ao PRTB, ressaltou que a consolidação de sua candidatura dependerá da decisão do partido. Militante da oposição das últimas gestões municipais, Aranha declarou que decidiu se candidatar a chefe do Executivo Municipal “em razão da catástrofe administrativa que reina hoje no Guarujá”.

Aranha já foi advogado dos políticos Nélson Fernandes — hoje um dos membros do Diretório Municipal do PT, antes da aliança com o prefeito Farid Madi —, Paulo Flávio Affonso Piasenti (PSDB) e Luiz Carlos Romazzini (PT) — ambos vereadores da bancada de oposição na Câmara Municipal — e do vice-prefeito de Guarujá, José Rodrigues Tucunduva Neto (PSDB)— que recentemente conseguiu na Justiça a posse de prefeito interino por dois dias.

DL – O que você considera uma catástrofe administrativa?
Sidnei Aranha
– Essa questão do Tucunduva (pedir intervenção judicial para tomar posse do cargo de prefeito interinamente) é um exemplo claro disso. O prefeito de Guarujá há muito deixa a deseja na sua administração. Eu acho que a população tem que ter opção e acho que Guarujá só vai ganhar com isso. Quanto mais candidatos nós tivermos melhor para o Município.

DL – Você tem sido um opositor militante aos últimos governos municipais, inclusive questionando na Justiça algumas irregularidades. Você já traçou algumas medidas que tomaria como prefeito?
Aranha
– Eu acho que não é só pela oposição que exerço. É bem verdade que tenho algumas ações que são fundamentais como a redução do valor do lixo, a suspensão do contrato de escritórios de advocacia sem licitação, contra várias empresas e processos licitatórios suspeitos, mas eu penso que o PRTB também tem projetos para o Governo. Por exemplo, primeira coisa a se estabelecer é o que é prioridade no Governo. Um exemplo hoje de falha na gestão, é na saúde. O governo hoje busca R$ 1,5 milhão para criar o Hospital de Vicente de Carvalho, em contrapartida, os médicos do Hospital Santo Amaro não recebem seus salários. É uma questão de prioridade, ou seja. Ao invés de fazer demagogia política, vamos colocar o Santo Amaro para funcionar em sua plenitude. Não adianta não ter professores nas escolas e as escolas estarem sendo pintadas. A intenção nossa é terminar com a Administração da maquiagem, para ser uma Administração efetiva, que funcione, que contemple o princípio da eficiência. Ela tem que funcionar com rigor e presteza porque todos pagam impostos para isso.

DL – Que outras prioridades, você elegeria em sua gestão, caso fosse eleito?
Aranha
– A prioridade número 1 é sanear as contas públicas. Fazendo o que? Diminuindo os cargos de confiança na administração. Enxugaria a máquina de imediato. Faria também um Plano de Demissão Voluntária (PDV). Sobraria dinheiro para investir na área social que é muito carente no Guarujá. Nós temos em Guarujá quase mil cargos de confiança: 52 cargos de R$ 6,500, 17 cargos de R$ 8.500. São muitas secretarias e muitas diretorias que não estão funcionando. Isso tem que ser revisto com urgência e o funcionário público que trabalha tem que ser valorizado. Não pode ter recebido um aumento de 3%. Eu vou priorizar a profissionalização da Prefeitura. A Prefeitura não é um lugar para penduricalho de cabos eleitorais.
 
DL – Você a favorável a manutenção da intervenção municipal no Hospital Santo Amaro?
Aranha
– O Hospital Santo Amaro vive com 90% do SUS e não consegue sobreviver sem a subvenção municipal. Então eu penso, que por hora, o hospital deve continuar recebendo a subvenção SUS. Por conta de ter 90% do dinheiro do Município, os procedimentos no Santo Amaro têm que ser licitados e tem que haver concursos também. O que não pode é o dinheiro público ir pra lá e não ter o rigor na fiscalização da Administração Pública e em todos os seus requisitos.

DL – Quais as áreas mais carentes de Guarujá?
Aranha
– É a questão da perspectiva de emprego. Todos os anos milhares de jovens chegam ao mercado de trabalho e não tem postos de trabalho. Não adianta retroporto como querem fazer. O retroporto ocupa áreas muito grandes e gera poucos empregos. Eu quero discutir com o presidente da República essa utilização do porto porque 90% do imposto recolhido no porto vai para a União. As Cidades portuárias não podem ficar com o lixo e Brasília, com o luxo. A Cidade de Guarujá tem que um porto com desenvolvimento e investimento, não pode se tornar uma cidade portuária da década passada, suja e com prostituição. Nós não podemos ficar com o ônus social e o Governo Federal, com o bônus tributário.
    
DL – Em setembro de 2006, estourou o escândalo sobre corrupção envolvendo vereadores da Câmara de Guarujá. Como você avalia o chamado ‘Mensalinho’?
Aranha
– A questão do ‘mensalinho’ tem que ser apurada pelo Ministério Público. Eu não vou fazer aqui um juízo de valor, mas que há uma relação promíscua entre a bancada de situação do prefeito e o prefeito isso há. Agora, eventualmente eu chegando lá, a minha relação será de transparência, de austeridade. Se o prefeito mostrar que ele veio para administrar com transparência e probidade, eu acho que os vereadores acompanharão isso. Eu quero destacar a atitude honrosa dos vereadores de oposição, o Pirani, o Paulo, Marcelo Gaspar, Marcelo Mariano e Romazzini. Eles estão tendo uma postura absoluta correta na Câmara Municipal. E são vereadores assim que espero que se reelejam.

DL – Como você avalia as gestões Maurici Mariano e Farid Madi?
Aranha
– Embora eu fui opositor do Governo Maurici, isso é histórico, eu acho que numa comparação o Governo Maurici foi muito melhor que o Governo Farid. Eu acho que o Governo Farid só tem comparação com o Governo Ruy Gonzalez. Aliás, o Governo Farid é muito mais nefasto que o Governo Ruy Gonzalez.

DL – Como você define e um palavra cada um desses governos. O Governo Maurici e o Governo Farid?
Aranha
– O Governo Maurici foi um Governo bom e o Governo Farid, destruidor.

DL – Que nota você daria para cada Governo?
Aranha
– Eu dou 7 para o Maurici e 0 para o Farid.