X
Política

Situação fiscal delicada é o 'calcanhar de Aquiles' do País, diz Dyogo

Segundo o ministro, o nível de comprometimento atual do Orçamento federal com os gastos com Previdência (57%) não tem parâmetro semelhante no cenário internacional

Para Dyogo, o nível de comprometimento atual do Orçamento federal com os gastos com Previdência (57%) não tem parâmetro semelhante no cenário internacional / Agência Brasil

Embora o processo de recuperação do crescimento no Brasil tenha "fundamentos fortes", a situação fiscal delicada é o "calcanhar de Aquiles" do País, disse nesta quarta-feira, 18, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. Segundo ele, o nível de comprometimento atual do Orçamento federal com os gastos com Previdência (57%) não tem parâmetro semelhante no cenário internacional.

"Grécia, que quebrou, tem (gasto) em torno de 25% do orçamento com Previdência", disse durante audiência pública no Tribunal de Constas da União (TCU). "O que é muito preocupante é que a Previdência vem comendo espaço orçamentário das outras despesas, mesmo de outras despesas da área social. O gasto social como um todo continua razoavelmente estável ou crescendo, mas parcela da Previdência é que vem ocupando esse espaço", afirmou.

Segundo Oliveira, o governo está perdendo capacidade gerencial sobre o Orçamento. Isso porque o conjunto de Previdência e outras despesas obrigatórias consomem 95% do total das despesas do governo. Além disso, a situação tende a se agravar, ressaltou o ministro, porque o déficit da Previdência vai superar os R$ 200 bilhões no ano que vem e "tem tendência de alta".

Teto de gastos

As despesas com saúde e educação estão "protegidas" no novo regime de teto de gastos, disse Dyogo Oliveira. Segundo ele, o mecanismo que institui um piso mínimo, corrigido pela inflação a cada ano, vai garantir que as duas áreas mantenham constantes suas fatias nas despesas do Orçamento Federal.

A participação de Dyogo na audiência pública no TCU está sendo feito para detalhar o funcionamento do teto de gastos. Como revelou o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), a corte de contas tem um processo aberto para apurar como os órgãos estão se adequando à nova regra fiscal do País.

O ministro explicou ainda que, caso haja violação do teto no futuro, não há uma contenção imediata de despesas, mas sim a previsão de medidas corretivas e vedações para que ao longo do tempo os gastos voltem a ficar adequados dentro do limite. Entre essas proibições estão a concessão de reajustes acima da inflação e a criação de novos cargos na administração pública.

Previdência

Antes de detalhar o funcionamento do teto de gastos, Oliveira ressaltou que a Previdência Social tem ocupado um espaço cada vez maior no Orçamento. "O Brasil tem hoje uma das maiores cargas tributárias do mundo, sem ser condizente com a qualidade do gasto público", disse. Segundo ele, isso ocorre justamente porque o governo tem pouca margem de manobra para investir em políticas públicas, pois gasta mais da metade do Orçamento com benefícios previdenciários.

O ministro ressaltou ainda que, desde 2010, uma tendência de queda de receitas já vinha se anunciando, o que agravou a situação fiscal do País. Ele lembrou que o País deve ter sete anos seguidos de déficit primário (2014 a 2020) pelas projeções oficiais, e desde já a dívida pública já atingiu "níveis bastante preocupantes". Mas a queda na arrecadação não se deve somente à recessão econômica, ponderou.

"Precisamos ter reforma tributária que torne o sistema menos conflituoso e mais eficiente", disse Oliveira. "O crescimento continuado da carga tributária certamente não é o caminho a ser trilhado no futuro, mas agora precisamos controlar essas despesas", acrescentou.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde

Itanhaém abre agendamento para todas as crianças de 9 a 11 anos

As imunizações iniciam já neste sábado (22), no Posto Volante de Vacinação (Secretaria de Turismo), na Rua Aécio Menucci, 281, Centro

Polícia

Suspeito de participação no assassinato de policial militar de Praia Grande é preso

Uma equipe de Patrulhamento de Ações Especiais da PM recebeu a informação de que um carro da marca Volvo, flagrado na cena do crime, estava circulando por Santo André com destino a cidade de Ribeirão Pires

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software