X
Política

Seis governadores deixam os cargos para se candidatarem às eleições de outubro

O afastamento pode ou não ser necessário, dependendo do emprego ocupado e do cargo em disputa

Geraldo Alckmin pretende explorar a imagem de gestor austero em sua campanha à Presidência / Divulgação/Fotos Públicas

O prazo final para os ocupantes de cargo público que vão disputar as eleições de 2018 deixarem a função terminou no último sábado (7). Entre os governadores, seis deixaram o comando dos seus estados: Confúcio Moura (MDB), de Rondônia; Jackson Barreto (MDB), de Sergipe; Marconi Perillo (PSDB), de Goiás; Geraldo Alckmin (PSDB), de São Paulo; Beto Richa (PSDB), do Paraná; e Raimundo Colombo (PSD), de Santa Catarina.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a desincompatibilização busca assegurar que não haja nenhum tipo de influência por parte daquele que já ocupa cargo público e deseja concorrer novamente, além de zelar pela igualdade dos candidatos.

O afastamento pode ou não ser necessário, dependendo do emprego ocupado e do cargo em disputa. Governadores que disputarão a reeleição, por exemplo, não precisam se afastar do cargo.

No site do TSE, há uma tabela com os prazos de desincompatibilização para cada caso.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Guarujá

Força-Tarefa de Guarujá atende uma ocorrência de perturbação de sossego por hora

Média corresponde ao período de 20 de outubro a 20 de novembro, no qual foram atendidos 805 chamados dessa natureza em Guarujá

Brasil

Morre a atriz Mila Moreira aos 72 anos, no Rio de Janeiro

Causa da morte não foi divulgada

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software