Secretário de Educação Superior do MEC pede demissão

Em meio a crise no Sisu e Enem, Arnaldo Lima Junior alega motivos pessoais para deixar o cargo

Comentar
Compartilhar
30 JAN 2020Por Folhapress23h54
Lima Junior era um dos principais auxiliares do ministro Abraham WeintraubFoto: Valter Campanato/Agência Brasil

O secretário de Educação Superior do MEC (Ministério da Educação), Arnaldo Lima Junior, pediu demissão na noite desta quinta-feira (30). Ele alegou motivos pessoais para deixar o cargo.

Lima Junior apresentou o pedido de demissão por meio de carta, obtida pela reportagem. O agora ex-secretário era um dos principais auxiliares do ministro Abraham Weintraub. 

A saída dele se dá em meio a crise após a divulgação de notas do Enem com erros. 

A prova é usada para selecionar estudantes para universidades de todo o país por meio do Sisu (Sistema de Seleção Unificada).

Na carta, Lima Junior afirma que se desliga da secretaria do MEC "para abraçar um novo propósito profissional".

"Quando assumi a secretaria, estava ciente da responsabilidade que resultaria desse ato, mas nunca deixei de ousar e nunca fiz nada sozinho", escreveu.

De acordo com ele, a secretaria participou da elaboração de projetos com a marca da gestão Jair Bolsonaro como a ID Estudantil, o diploma digital e o Novo Revalida.

Segundo Lima Junior, o órgão também foi responsável por aperfeiçoar o Fies (Financiamento Estudantil). 

"Conseguimos 100% dos recursos previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA), implementamos cinco novas universidades federais e desenvolvemos o Future-se." Ele definiu o programa que busca aumentar o aporte de recursos externos às universidades como "o que há de mais inovador na educação brasileira". 

Embora tenha sido apresentado no ano passado, o projeto de lei do Future-se ainda precisa ser enviado ao Congresso Nacional para virar realidade.

Segundo ele, essa será a sua última "missão no glorioso Ministério da Educação". 

Lima Junior ficou nove meses à frente da secretaria. Nesse período, segundo ele, foram muitos os desafios no dia a dia à frente dos temas de educação superior. "Mas pude contar com o apoio do Ministro Abraham Weintraub, do secretário-executivo, Antonio Paulo Vogel de Medeiros, dos demais secretários e colaboradores do MEC e, especialmente, da Família Sesu [Secretaria da Educação Superior]", escreve.

"Deixo as portas abertas, o que me traz grande alegria, e me despeço com a certeza do dever cumprido, sabendo que bons frutos serão colhidos das sementes que ajudei a plantar", finaliza a carta.