'Se houver paralisação dos caminhoneiros, chama o Márcio França', diz governador

Ele costuma dizer que liderou as negociações que puseram fim ao levante e desbloquearam as estradas em São Paulo

Comentar
Compartilhar
05 SET 2018Por Folhapress20h00
França participou nesta manhã de um café com prefeitos e vice-prefeitos de 58 municípios da região central de São PauloFrança participou nesta manhã de um café com prefeitos e vice-prefeitos de 58 municípios da região central de São PauloFoto: Reprodução/Facebook

Tema frequente em entrevistas e nos debates de que participa, a paralisação dos caminhoneiros, em maio, é um episódio que o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), tenta associar à sua imagem para se tornar mais conhecido pela população paulista. Ele costuma dizer que liderou as negociações que puseram fim ao levante e desbloquearam as estradas em São Paulo.

Questionado pela reportagem nesta quarta-feira (5) sobre a possibilidade de uma nova greve da categoria, respondeu: "Se houver paralisação, chama o Márcio França".

Ele participou nesta manhã de um café com prefeitos e vice-prefeitos de 58 municípios da região central de São Paulo.

O governador afirmou esperar que não aconteça um novo levante no meio da campanha eleitoral, que, para ele, teria consequências graves para o país. "Mas, se tiver, a obrigação da gente é tentar ajudar", disse.

Segundo França, a greve dos caminhoneiros não era liderada pela organização sindical e foi divulgada, sobretudo, por meio das redes sociais.

"Aquele movimento eclodiu como se fosse uma gota em um copo que estivesse transbordando, não sei se hoje eles teriam mobilização pra isso", afirmou, citando o aumento do preço dos combustíveis.