Sartori pede 'cuidado' em projetos que podem retirar receitas dos Estados

O governador do Rio Grande do Sul pediu ainda "reflexão" dos parlamentares na aprovação de projetos que impliquem a criação de pisos salariais nacionais

Comentar
Compartilhar
20 MAI 201515h56

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), defendeu nesta quarta-feira, 20, cuidado com os projetos em tramitação que, se aprovados, podem retirar perto de R$ 100 bilhões em receita dos Estados. Falando em nome dos governadores da região Sul, Sartori pediu "muito cuidado" aos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), com essas propostas em análise nas duas Casas Legislativas.

"Vão retirar dos Estados perto de R$ 100 bilhões, que geram evidentemente um desconforto para todos nós", disse Sartori, durante a reunião sobre o pacto federativo que reúne governadores de Estados e do Distrito Federal no Congresso. Ele disse que, posteriormente, poderá listar as propostas e observou que não se pode "penalizar as finanças estaduais".

Sartori pediu ainda "reflexão" dos parlamentares na aprovação de projetos que impliquem a criação de pisos salariais nacionais. Para o peemedebista, não se pode impedir que os Estados funcionem com a eventual aprovação de medidas como essa.

José Ivo Sartori pediu 'cuidado' em projetos que podem retirar receitas dos Estados (Foto: Divulgação)

"Ninguém é contra que as pessoas e os funcionários ganhem melhor para prestar um bom serviço, mas de uma maneira desavisada isso gera preocupações", afirmou. "Tem que se encontrar uma maneira e uma fórmula para que isso possa resolver a questão dos Estados", completou.

O governador gaúcho disse que a situação de muitos Estados brasileiros é de "emergência". Ele destacou que o Estado que governa está fazendo seu ajuste, mas cobrou ajuda da União. Ele defendeu a mudança no comprometimento de recursos dos Estados com o pagamento dos serviços da dívida pública. Na semana passada, o governo do Rio Grande do Sul anunciou que vai atrasar novamente o pagamento de parcela da dívida do Estado com a União.