Rosana Valle deverá prestar esclarecimentos ao PSB por voto pró-reforma

O conselho de ética do partido decidiu abrir processo contra os 11 dos 32 deputados que votaram a favor da reforma da Previdência na semana passada

Comentar
Compartilhar
16 JUL 2019Por Da Reportagem14h02
Deputada afirmou que 'está tratando internamente as questões com o PSB Nacional'Foto: Pedro Henrique Fonseca/DL

Com informações da Folhapress*

A deputada federal Rosana Valle (PSB) deverá prestar esclarecimentos ao partido pelo voto à favor da reforma da Previdência. O conselho de ética da legenda decidiu nesta segunda-feira (15) abrir processo contra os 11 dos 32 deputados que estavam no plenário da Câmara e votaram a favor da reforma da Previdência na semana passada.

Eles desrespeitaram o chamado "fechamento de questão", segundo o PSB. No jargão político, quando uma sigla fecha questão, significa que determinou que aquela decisão deve ser cumprida por todos os seus integrantes, sob risco de punição. A pena varia desde uma advertência até a expulsão da legenda. O PSB havia fechado questão contra a reforma da Previdência.

Em contato com o Diário do Litoral, a deputada afirmou que "está tratando internamente as questões com o PSB Nacional".

Em uma reunião no dia 25 de março com lideranças sindicais da Região, Rosana Valle garantiu que era contrária à reforma e apresentou uma série de apontamentos para justificar o seu posicionamento. Porém, após mudanças no texto que foi aprovado, a deputada votou favorável à reforma.

Questionada pela coluna Contraponto na última semana, a deputada afirmou que na data em o vídeo foi gravado, a reforma proposta pelo governo não havia sofrido nenhum tipo de alteração. 

"Estávamos discutindo o formato original apresentado pelo governo. Comentei que daquela forma eu era contrária à aprovação, mas que iria trabalhar para modificar o que fosse possível. No entanto, a proposta que foi para votação acabou sendo modificada. Aumentaram a taxação para os bancos, a capitalização foi suprimida e o BPC foi mantido como era. A mudança na aposentadoria rural foi retirada da reforma, permanecendo as regras que existem hoje. As mulheres tiveram a idade mínima reduzida em três anos. O tempo mínimo de contribuição das mulheres também foi reduzido de 20 para 15 anos", disse.

Rosana não considera que o texto que foi votado em plenário afronta os princípios programáticos do PSB. "A reforma não é a ideal, nem nunca será, mas não vejo como ignorar a real situação do país, com 13 milhões de desempregados, economia estagnada e sem perspectivas. Não é possível continuar se baseando em posições ideológicas enquanto o país anda para trás. Que adianta ter direitos, se estes direitos não podem ser assegurados no futuro. Agora submeto minha decisão à Executiva Nacional do partido, a quem respeito. E seguirei meu caminho e meu mandato com a consciência de que fiz o meu dever", afirmou na ocasião.

A partir de agora, os 11 deputados serão notificados e têm dez dias para apresentarem defesa. Depois disso, o conselho dá uma indicação de penalidade, mas a decisão da pena cabe ao diretório nacional do partido.

A conclusão do processo deve sair apenas em agosto por causa do recesso parlamentar, que começa nesta semana. Além disso, uma eventual mudança de posicionamento no segundo turno da votação da reforma da Previdência, em agosto, pode interferir na análise do conselho.  "Acho que [se alguém votar de forma diferente no segundo turno] é ingrediente para você rediscutir a posição da pessoa", disse o presidente do conselho de ética do PSB, Alexandre Navarro.

Em 2017, o PSB decidiu expulsar 13 deputados que votaram a favor da reforma trabalhista do governo Michel Temer. Na prática, eles conseguiram questionar na Justiça um aspecto formal do processo e acabaram liberados. Deixaram o partido por conta própria.

Colunas

Contraponto