X

Política

Renovação política não depende só de horror da população à corrupção, diz FHC

Segundo ele, a sociedade está fragmentada e é preciso eleger alguém com poder moderador

Folhapress

Publicado em 03/07/2018 às 20:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O ex-presidente também afirmou que falta no país uma instância moderadora / Agência Brasil

Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a renovação política nas eleições pode ser dificultada pela distribuição atual de recursos eleitorais, embora o povo esteja com "horror à corrupção", e que isso pode levar a frustração do eleitorado.

"A renovação não depende só do povo que tem horror a isso ou aquilo, depende das engrenagens", afirmou em entrevista após participar de painel no Enai (Encontro Nacional da Indústria) em Brasília.

Em sua fala, ele havia dito que o povo "tem horror à corrupção e descobriu pela Lava Jato as bases podres do poder".

"A legislação atual deu dinheiro só para os partidos. A oligarquia partidária que dispõe de recursos, ela vai jogar esses recursos para ajudar a eleger quem é próximo a ela. Então é complicado isso daí, você vai ter de novo a possibilidade de uma frustração", disse.

O PSDB, partido do ex-presidente, tem direito a R$ 185 milhões do fundo eleitoral para a campanha deste ano.

O ex-presidente também afirmou que falta no país uma instância moderadora. Segundo ele, a sociedade está fragmentada e é preciso eleger alguém com poder moderador.

FHC defendeu uma união de centro, mas disse que não se trata de unir o chamado centrão em torno de uma candidatura. "Tem que ser um centro popular, progressista. Não é o centrão, juntar os interesses fisiológicos de cada partido, senão dá na mesma coisa que hoje", afirmou.

O tucano elogiou o candidato de seu partido, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, mas disse que ele precisa ser capaz de mostrar ao eleitor suas qualidades.

Questionado sobre a possibilidade de Henrique Meirelles (MDB) compor chapa como vice de Alckmin, o ex-presidente desconversou e disse não ter ouvido nada a respeito.

Sem voto

No debate, em que participaram também o ex-presidente da Petrobras Pedro Parente e o professor de direito constitucional Joaquim Falcão, FHC afirmou que as circunstâncias podem fazer surgir lideranças mesmo que não pelo voto.

"Tomara que a democracia permita que elas nasçam pelo voto. Mas se não nascerem pelo voto, vão nascer de outra maneira. Não estou falando de golpe, golpe não resolve nada", disse. "Mas alguém vai ter que conduzir."

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saúde Pública

Itanhaém faz bloqueios para combater mosquito da dengue

Marinês explica que o setor está intensificando os bloqueios nos bairros onde tem os criadouros e nos locais onde há casos confirmados e suspeitos de dengue

Negou

Ex-prefeito Bili garante que não houve dolo e que vai recorrer de decisão

O juiz Leonardo de Mello Gonçalves, da Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), condenou o ex-prefeito Luis Cláudio Bili Lins da Silva por improbidade administrativa e dano ao erário

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter