Renato Duque diz a Moro que quer colaborar com a Lava Jato

Na primeira vez que foi interrogado, ele permaneceu em silêncio. Nos últimos meses, vinha tentando fechar um acordo de delação, sem sucesso

Comentar
Compartilhar
27 ABR 2017Por Folhapress21h30
Renato Duque diz a Moro que quer colaborar com a Lava JatoFoto: Reprodução/BNDES

O ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque protocolou nesta quinta (27) um pedido ao juiz Sergio Moro para ser interrogado novamente no processo em que é acusado de receber propina quando estava na estatal.

No documento ele manifesta a vontade de colaborar com as investigações. Nas palavras de pessoa próxima ao ex-diretor, ele vai "abrir a caixa de ferramentas" e, com elas, "a porta do inferno", contando "tudo o que sabe" do esquema de corrupção na Petrobras.

Na primeira vez que foi interrogado, ele permaneceu em silêncio. Nos últimos meses, vinha tentando fechar um acordo de delação, sem sucesso. A formalização do pedido para ser ouvido novamente sinaliza que as negociações enfim caminharam.

Duque era o diretor mais identificado com o PT na estatal, tendo sido indicado pelo partido para o cargo.
A delação dele é uma das mais temidas pela legenda, e deve coincidir com a delação do ex-ministro Antonio Palocci. Juntos, os dois poderiam tentar envolver de forma definitiva o ex-presidente Lula nos escândalos da estatal.

Eles agora têm inclusive o mesmo advogado, Adriano Bretas, que integra a equipe de defensores de Duque e assumiu a de Palocci para encaminhar o acordo de delação que o petista pretende firmar com a Lava Jato.

Segundo o jornal "Valor Econômico", Palocci deve falar que recebeu propina, junto com Lula, num contrato da Sete Brasil com a Petrobras. Duque confirmaria a história.

A empresa foi criada para construir 29 sondas para exploração de petróleo para a estatal.