X
Política

'Renan pode muito, mas não pode tudo', diz vice-presidente do Senado

O presidente do Senado tem trabalhado para atrasar a tramitação das medidas no Congresso, inclusive atuando como porta-voz de sindicalistas

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) fez críticas ao líder do PMDB na Casa, Renan Calheiros (AL), / Agência Brasil

Vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) fez nesta terça-feira (2) críticas ao líder do PMDB na Casa, Renan Calheiros (AL), e afirmou que o Senado tem que funcionar "mesmo com a indisposição" do peemedebista em relação às principais bandeiras do governo, as reformas trabalhista e previdenciária.

Em embate público com a gestão do presidente Michel Temer, Renan tem trabalhado para atrasar a tramitação das medidas no Congresso, inclusive atuando como porta-voz de sindicalistas contrários à reforma trabalhista, que chegou ao Senado esta semana após aprovação na Câmara dos Deputados.

"Renan pode muito, mas não pode tudo. Vamos fazer com que o Senado funcione mesmo com a indisposição que o senador Renan tem tido em relação às matérias em discussão", disse Cunha Lima, que comanda o Senado nesta terça-feira na ausência do presidente de Casa, Eunicio Oliveira (PMDB-CE), afastado por motivos médicos.

Durante reunião de líderes do Senado nesta terça -sem a presença de Renan, que chegará a Brasília somente à noite-, os senadores decidiram que a reforma trabalhista passará por duas comissões antes de ir a votação no plenário da Casa, o que deve ocorrer, segundo as previsões do governo, até o início de junho.

Os colegiados que discutirão a matéria serão a CAS (Comissão de Assuntos Sociais), regimentalmente responsável por tratar de temas trabalhistas, além da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos), ambas presididas por aliados de Temer: Marta Suplicy (PMDB-SP) e Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Até segunda ordem, a reforma trabalhista, não passará pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), presidida por Edison Lobão (PMDB-MA), aliado de Renan.

Cássio Cunha Lima disse que não há necessidade de analisar a constitucionalidade da proposta, "porque isso já foi feito na Câmara", mas senadores protestaram em discursos no plenário.

Assim como Renan, a oposição reivindica que a reforma tramite também pela CCJ, prolongando, assim, o debate do projeto. Aliado a Renan, o senador Eduardo Braga (PMDB-AM) fez um apelo a Cunha Lima para que a medida vá a discussão também na CCJ -o senador tucano ficou de "ouvir" todos os colegas.

Queda de braço

Ainda na disputa com o governo Michel Temer, Renan conseguiu que a Comissão Mista de Orçamento do Senado fosse adiada pela quarta vez.

O senador peemedebista trabalha para impedir que o líder do PP, Arthur Lira (AL), emplaque Cacá Leão (PP) na relatoria do colegiado, a mais importante da Casa.

Lira é adversário de Renan em Alagoas e, com foco na eleição de 2018, o peemedebista está empenhado em enfraquecer o rival.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Semana terá clima maluco, por isso, leve guarda-chuva, protetor solar, casaco, para-raio e um bote

Clima indeciso marcará últimos dias de novembro

Brasil

Bolsonaro participa da formatura de cadetes do Exército na Aman

Os 391 cadetes são do 4º ano da Turma Dona Rosa da Fonseca

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software