Regra fiscal do governo Temer reforça defesa de Dilma, diz Nelson Barbosa

O ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa afirmou que o governo de Michel Temer se vale justamente de normas fiscais que reforçam a defesa da petista

Comentar
Compartilhar
17 JUN 2016Por Folhapress17h30
Regra fiscal do governo Temer reforça defesa de Dilma, diz Nelson BarbosaRegra fiscal do governo Temer reforça defesa de Dilma, diz Nelson BarbosaFoto: Agência Brasil

O ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa afirmou na manhã desta sexta-feira (17) à comissão especial que analisa o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff que o governo de Michel Temer se vale justamente de normas fiscais que reforçam a defesa da petista.

"O governo do vice-presidente em exercício ao propor seu limite de gastos escolheu o critério financeiro.

Isso para mim demonstra mais do que qualquer coisa a corretude da tese da defesa da presidente", afirmou Barbosa.

O ex-ministro de Dilma citou a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que limita os gastos públicos para afirmar que, conforme a defesa tem procurado apontar, o que vale é a execução das despesas, e não a dotação orçamentária.

Para ele, isso demonstra que os decretos editados, um dos alvos do processo de impeachment, não afetaram a meta fiscal.

A afirmação ocorreu em resposta aos questionamentos do relator do processo de Dilma no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG). Barbosa presta depoimento como testemunha de defesa nesta sexta.

Ao responder o senador, Barbosa reiterou, como já havia destacado em outros momentos nos quais compareceu à comissão, que a edição de crédito suplementar não causa impactos sobre a meta fiscal.

Ele disse ainda que a limitação prevista na Lei Orçamentária de 2015 que só permitia a edição de decretos de créditos desde que a meta fiscal estivesse sendo cumprida visava dar "flexibilidade limitada" para a administração.

ALERTA

Interpelado pelo senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), ele ressaltou que os decretos de edição de crédito suplementar deixaram de ser editados quando o Ministério Público deu um alerta.

"A partir da representação do MP, o governo interrompeu a edição de decretos até que essa questão fosse decidida pelo TCU, o que só ocorreu em outubro. No momento do alerta, essa era uma questão que ainda estava em contestação. A presidente apresentou justificativas. Fica clara a boa fé e a corretude dos atos praticados", frisou.

"Fica patente e evidente o dolo. O governo tentou limpar a evidência do crime", afirmou Ferraço, que foi rebatido pelo ex-ministro da Fazenda, segundo quem, 2015 foi o ano "de arrumação das contas".

"Foi o ano em que o governo deixou de praticar as práticas que o TCU considerou irregulares. A partir da decisão final do TCU, modificou o pagamento de equalização das taxas de juros, alterou pagamento de contratos de prestação de serviços com a Caixa, pediu autorização do Congresso e obteve. Todas decisões legais, amparadas em decisões em vigor".

Barbosa foi a primeira testemunha da defesa ouvida nesta sexta. Ainda haverá oitiva de Ivo Correa, ex-subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil; Renato Janine Ribeiro, ex-ministro de Educação; e de Felipe Daruich Neto, diretor do departamento de programas sociais da secretaria do orçamento federal.