CAMPANHA DE 1 A 11

Regina Duarte comemora com amigos em hotel de Brasília após 'sim' a Bolsonaro

Regina chegou acompanhada de uma assessora ao lobby, onde já era aguardada pela secretária-adjunta da pasta

Comentar
Compartilhar
30 JAN 2020Por Folhapress10h34
Ao ser abordada pela reportagem, que a aguardava em uma mesa bem em frente à sala reservada, a atriz parou para conversar brevementeFoto: Marcos Corrêa/PR

Depois do desfecho da primeira temporada da novela da nomeação da atriz Regina Duarte, 72, para a Secretaria da Cultura do governo Bolsonaro, ela reuniu amigos para comemorar no bar de um hotel tradicional de Brasília na noite de quarta-feira (29).

Regina chegou acompanhada de uma assessora ao lobby, onde já era aguardada pela secretária-adjunta da pasta, reverenda Jane Silva, pelo jornalista e youtuber Alexandre Garcia e sua esposa, e por uma amiga jornalista.

Os seis entraram no bar pouco iluminado e passaram direto pelo salão com 14 mesas e um telão em que era exibido o jogo Palmeiras e Oeste, pelo Campeonato Paulista. Quando o time alviverde marcou o quarto e último gol da partida, eles já haviam se acomodado em uma sala reservada, aos fundos.

Regina sentou-se ao centro, Jane ao seu lado direito e Garcia à sua frente. Atrás da atriz, havia quadros com fotos de celebridades do cinema como Marilyn Monroe e Brad Pitt.

Não era possível ouvir as conversas –a porta estava fechada e o bar, quase lotado, com apenas quatro mesas vazias, estava barulhento.  Em um dado momento, os convidados brindaram com a atriz, que se ausentou da mesa por apenas dez minutos para falar mais reservadamente ao celular. A única movimentação constante era dos garçons, que entravam e saíam com vinho, água, os pratos principais, além de sobremesas de chocolate e um digestivo.

Às 23h30, os amigos começaram a fazer fotos, mas esperaram o garçom retornar à sala para fotografar o grupo.

Ao ser abordada pela reportagem, que a aguardava em uma mesa bem em frente à sala reservada, a atriz parou para conversar brevemente. Como já havia dito mais cedo, informou que não poderá falar muito até assumir o cargo oficialmente. A posse ainda não tem data, segundo Regina, por causa de questões burocráticas. Na prática, isso significa resolver sua situação com a TV Globo, empresa onde está desde 1969, quando fez a novela Véu de Noiva.

"Globo e Regina Duarte estão negociando o fim da relação contratual em função da decisão da atriz de aceitar o convite para ocupar a Secretaria Especial da Cultura", diz nota da emissora carioca.

No começo de sua adaptação à nova realidade, Regina disse que fica em Brasília até sexta-feira (31), e não quis divulgar sua agenda nestes próximos dias. Ressaltou que, apesar do impedimento para dar declarações, têm procurado ser simpática com os jornalistas, mas não quis ser fotografada pela reportagem no bar.

Sua assessora disse que a atriz precisava descansar, encerrando a conversa no lobby do hotel. Regina Duarte, então, se recolheu.

A atriz teve um dia agitado em Brasília. Ela chegou pouco antes das 13h desta quarta. Deixou o aeroporto escoltada por assessores, pela reverenda Jane e por três policiais militares. Disse que o protocolo a impedia de falar e limitou-se a dizer que o noivado com o governo havia sido excelente. Foi esta a metáfora adotada pela atriz para se referir aos dias que passou na capital federal para tomar pé da situação da secretaria antes de bater o martelo.

Após um vácuo de informações por parte do Ministério do Turismo, onde a secretaria está alocada, e da própria pasta que ela assumirá, o paradeiro de Regina Duarte só foi conhecido no fim da tarde, quando ela chegou ao Palácio do Planalto para conversar com Bolsonaro e ministros que estavam no local, como Sergio Moro (Justiça), Paulo Guedes  (Economia) e Marcelo Álvaro Antônio (Turismo).

Ao chegar, brincou com os jornalistas fazendo rima: "Para o sim, para o não, para o talvez, preciso de vocês. Oh, rimou, hein? Para o sim, para o não, para o talvez, preciso de vocês".

Ao deixar o Planalto, fez novos trocadilhos matrimoniais para confirmar que havia aceitado o convite de Jair Bolsonaro.

"Sim, só que agora vão correr os proclamas antes do casamento", disse no início da noite.

Ela assume a pasta após a demissão de Roberto Alvim, que foi cortado por Bolsonaro após publicar um vídeo em que parafraseia um ministro da Alemanha nazista.

A artista foi convidada em 17 de janeiro, mas levou dez dias para aceitar a proposta. Desde o primeiro encontro com o presidente, no dia 20, ela dizia que estava em um noivado e em fase de testes.

Nos últimos dias, Regina fez demonstrações públicas de que está alinhada com o pensamento de Bolsonaro.

No domingo (26), ela publicou um vídeo se posicionando contra o que conservadores chamam de "marxismo cultural".

As imagens mostram o ex-BBB Adrilles Jorge criticando o que ele considera ser um movimento da esquerda para ganhar território na indústria cultural.