Banner gripe

Recontagem de votos é suspensa em São Vicente

O impasse tende acabar em 17 de dezembro, quando ocorre a diplomação dos eleitos.

Comentar
Compartilhar
10 NOV 201209h05

Volta a valer o resultado obtido nas urnas em São Vicente. O que era para ser uma regra eleitoral em todo o País, a soma dos votos definindo a formação da Câmara para os próximos quatro anos estava suspensa até segunda-feira na Terra de Martim Afonso, quando havia sido marcada uma recontagem dos votos. A recontagem foi suspensa pela Justiça Eleitoral, na tarde de ontem.

O processo pedindo a recontagem de votos dos vereadores, que resultaria na mudança do quociente eleitoral obtido por cada partido, corre sobre segredo de Justiça.
 
O Diário do Litoral obteve a confirmação de uma das partes envolvidas da suspensão da recontagem, que havia sido agendada para as 11 horas no cartório da 177ª Zona Eleitoral. “Fizemos ponderações, que foram aceitas pela Justiça”, destacou a fonte, ligada a um vereador reeleito. “Vale o resultado das urnas”.
 
As informações não oficiais dando conta de que haveria recontagem dos votos para vereador em São Vicente começaram a circular na noite de quinta-feira. 

Até nas redes sociais, especialmente o Facebook, os comentários davam conta de que a nova contagem tiraria da Câmara os vereadores Gilberto Rampon, o Gilberto do Laboratório (PSB), que obteve 3.650 votos; e Marcelo Correia (PSDB), cuja votação foi de 2.074 sufrágios.
 
Recontagem havia sido marcada na segunda-feira (Foto: Matheus Tagé)
 
O impasse, atualmente em menor grau, tende acabar em 17 de dezembro, quando ocorre a diplomação dos eleitos.
 
Rampon e Correia poderiam ser impugnados pela Lei da Ficha Limpa. Mas representantes de partidos em São Vicente acabaram sabendo, no final da tarde de ontem, da suspensão da recontagem.
 
Presidência
 
Dessa forma, os eleitos que tomarão posse em janeiro são: Fernando Bispo (PSB), Pedro Gouvêa (PMDB), Paulinho Alfaiate (PSB), Roberto Rocha (PSB), Alfredo Moura (PSB), Perivaldo do Gás (PSB), Gilberto do Laboratório (PSB), Jura (PT), Alfredo Martins (PT), Rafael Barreto (PPS), Dr. Eduardo (PPS), Júnior Bozzella (PSDB), Marcelo Correia (PSDB), Ferrugem (PDT) e Diogo Batista (PTB).
 
Mantendo esse grupo,  é dado como praticamente certo que o próximo presidente do Legislativo seja Fernando Bispo (PSB). Um dos motivos é o fato de ter sido o mais votado em outubro, com 5.435 sufrágios.

Colunas

Contraponto