X

Política

'Quem ferrou o Brasil foram os economistas', diz Bolsonaro

O presidente eleito confirmou a indicação do economista Roberto Castello Branco para a comandar Petrobras em seu governo. O atual presidente, Ivan Monteiro, pode ser convidado para presidir o Banco do Brasil, onde iniciou sua carreira.

Folhapress

Publicado em 20/11/2018 às 16:53

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O presidente eleito, Jair Messias Bolsonaro (PSL). / Divulgação

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta segunda (19) que "quem ferrou o Brasil foram os economistas" e que sua equipe econômica não terá direito de errar.

A equipe está sendo montada pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. "Eles são parte importante do nosso plano de governo. Eles não podem errar, não têm o direito de errar", disse Bolsonaro, em entrevista em frente à sua residência, no Rio.

O presidente eleito confirmou a indicação do economista Roberto Castello Branco para a comandar Petrobras em seu governo. O atual presidente, Ivan Monteiro, pode ser convidado para presidir o Banco do Brasil, onde iniciou sua carreira.

Da equipe econômica, já foi definido também o nome dos presidentes do Banco Central, Roberto Campos Neto, e do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Joaquim Levy. O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto de Almeida, foi convidado a permanecer no cargo.

Na entrevista, Bolsonaro disse que Guedes escolhe os nomes e o presidente eleito "avaliza embaixo". "Eles não podem voltar atrás, [se] tomar decisão fica complicado voltar atras, porque o mercado vê como sinal negativo", afirmou.

Perguntado sobre a política de preços da gasolina, disse que tem conversado com a equipe econômica sobre o tema, mas que parte da solução depende dos governos estaduais, já que o ICMS é parte importante do preço final do combustível.

"Tenho conversado com eles. Vocês sabem que eu não sou economista. E quem ferrou o Brasil foram os economistas, tá certo? Mas eu tenho bom senso e sei o que o povo quer na ponta da linha", afirmou.

"Sem canetaços, sem a mão grande por parte do governo, querem um combustível mais barato, um gás cozinha mais barato. Mas grande parte depende dos governadores dos estados, que botam o ICMS lá em cima", concluiu.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Mundo

Argentina barra acesso de brasileiros alegando 'falso turismo'

Nos últimos dois meses, diversas universitárias relataram terem sido barradas no aeroporto por autoridades argentinas

Variedades

Novas formatações de texto são liberadas no Whatsapp

Segundo a empresa, a atualização permitirá aos usuários se comunicarem de maneira mais eficaz e economizar tempo

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter