PT recebeu até US$200 Mi em propinas, diz delator; tesoureiro é alvo de operação

O depoimento serviu de base para a nona fase da operação, deflagrada ontem pela Polícia Federal

Comentar
Compartilhar
06 FEV 201511h51

O ex-gerente de Serviços da Petrobrás Pedro Barusco afirmou em sua delação premiada no âmbito da Lava Jato que em dez anos, entre 2003 e 2013, o PT arrecadou até US$ 200 milhões em propinas por meio do esquema de corrupção e cartel na estatal. O depoimento serviu de base para a nona fase da operação, deflagrada ontem pela Polícia Federal.

A ação teve como alvo principal uma rede de operadores que, segundo as investigações, atuou na Diretoria de Serviços da estatal por intermédio do ex-diretor Renato Duque, indicado pelo PT, e o tesoureiro nacional da legenda, João Vaccari Neto - que foi levado coercitivamente para depor na sede da PF em São Paulo

Segundo Barusco, que era braço direito de Duque e foi apontado como operador do ex-diretor na estatal, os desvios ocorreram em ao menos 90 grandes contratos da Petrobrás nesse período. Duque ocupou a Diretoria de Serviços entre 2004 e 2012. Na sexta-feira passada, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal parecer em que defende a volta à prisão de Duque por risco de o ex-diretor da Petrobrás fugir do País. Procurada ontem, a defesa de Duque não foi localizada.

O depoimento de Barusco, prestado no dia 20 de novembro, foi divulgado ontem nos autos da Justiça Federal no Paraná, onde tramitam processos e inquéritos da Lava Jato. Segundo integrantes da força-tarefa da Lava Jato, a ação teve como objetivo coletar provas de desvios ocorridos na Diretoria de Serviços da estatal realizados por uma rede de 11 operadores, incluindo o tesoureiro do PT.

Em seu depoimento, Barusco afirma que Vaccari arrecadou entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões em propinas para o partido a partir de porcentagens cobradas de 1% a 2% do valor de contratos da estatal firmados por quatro diretorias - além da de Serviços, a de Abastecimento, Gás e Energia e Exploração e Produção. O PT, segundo ex-gerente, "representado" pelo tesoureiro do partido, ficava sempre com metade do porcentual arrecadado ilegalmente.

Pedro Barusco afirmou que em dez anos, o PT arrecadou até US$ 200 milhões em propinas (Foto: Divulgação)

Contra Vaccari foi expedido um mandado de condução coercitiva e ele teve de prestar depoimento na PF, em São Paulo. O tesoureiro falou à PF durante três horas e foi liberado no início da tarde. Ele negou envolvimento.

O ex-gerente entregou à força-tarefa da Lava Jato um mapa de 90 contratos (obras da Refinaria Abreu e Lima, instalação do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, acordos com empresas de fachada, entre outros) onde teria ocorrido pagamento de comissões. Apontou nomes de beneficiários, porcentuais de propinas, números de contas e nomes de instituições bancárias. Ele indicou inclusive uma conta no Panamá por meio da qual Vaccari teria operado valores ilícitos.

Das 26 empresas que Barusco apontou como integrantes do esquema, a maioria é de fachada. Elas foram usadas para fazer circular dinheiro ilícito por meio de emissão de notas fiscais sobre serviços e consultorias não realizados. Em um único endereço em São Paulo "funcionavam" sete empresas do esquema.

O ex-gerente revelou ter sido montado esquema de propinas em outras áreas da estatal, como a construção de sondas de perfuração em alto mar, por estaleiros - contratações que envolveram ao todo US$ 22 bilhões.

Provas. A ação da Lava Jato deflagrada ontem trouxe ainda uma nova frente de investigações envolvendo contratos da BR Distribuidora com uma empresa de Santa Catarina. Duas pessoas foram presas em Itajaí, no litoral do Estado.

O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima disse que a nona fase da Lava Jato ainda está no estágio de "semeadura de provas". Segundo ele, a oitiva de Vaccari Neto tinha por objetivo obter "informações a respeito de doações que ele (o tesoureiro) solicitou, legais ou ilegais, envolvendo pessoas que mantinham contratos com a Petrobrás". Indagado se o dinheiro ia em forma de doações para o PT, o procurador afirmou: "Não posso dizer exatamente o destino porque nem sempre doações passam pelo caminho legal".

Em outubro, o empreiteiro Augusto Ribeiro Mendonça Neto - que também fez acordo de delação premiada na Lava Jato - admitiu ter pago parte da propina cobrada por ex-diretores da Petrobrás na forma de doação oficial para campanhas eleitorais do PT.

Segundo a Procuradoria da República, os 11 operadores da Diretoria de Serviços tinham a mesma função do doleiro Alberto Youssef na Diretoria de Abastecimento da Petrobrás, controlada pelo PP.

A operação tinha como objetivo cumprir 62 mandados judiciais: um de prisão preventiva, três de prisão temporária, 18 de condução coercitiva e 40 de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Santa Catarina.

Colunas

Contraponto