PT diz que Moura não tem como exigir legenda

O deputado é suspeito de ter relações com integrantes do Primeiro Comando da Capital, facção criminosa que atua no Estado

Comentar
Compartilhar
04 JUN 201420h57

Em resposta ao deputado estadual Luiz Moura (PT), que ameaçou recorrer à Justiça contra a decisão do partido de lhe negar o direito de concorrer às eleições de outubro, o presidente do PT paulista, Emídio de Souza, afirmou nesta quarta-feira, 4, que "não teria o menor sentido" o Judiciário impor uma candidatura ao partido.

O deputado é suspeito de ter relações com integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa que atua no Estado. Em 7 de março, ele se reuniu em uma garagem de ônibus na zona leste de São Paulo com homens apontados pela Polícia Civil como integrantes do PCC. A reunião foi objeto de investigação da polícia, que apurava os ataques a ônibus. Alguns dos presentes foram conduzidos para a delegacia. Um dos homens era um foragido da polícia.

O PT suspendeu as atividades partidárias de Moura por 60 dias, a fim de evitar que ele possa concorrer à eleição. Sem poder exercer seus direitos plenos de filiado, o petista não terá legenda para tentar a reeleição. Na Assembleia Legislativa, Moura é alvo de um processo no conselho de ética. "Não acredito que a Justiça vá interferir. Quem deve escolher seus candidatos é o partido político, não é a Justiça impor nenhuma candidatura. Não teria o menor sentido", declarou.

Emídio, que também coordena a pré-candidatura do ex-ministro Alexandre Padilha ao governo do Estado, sustentou que o partido garantirá o direito do deputado de recorrer contra a decisão que lhe suspendeu as atividades partidárias, e disse que o PT tomará uma decisão terminativa ao fim desse prazo. As declarações foram dadas ao fim de um café da manhã com Padilha, organizado pela agência de notícias EFE.

O PT afirmou que o deputado Luiz Moura não tem como exigir legenda (Foto: Divulgação)

À tarde, Emídio se reuniu com a bancada do PT na Assembleia Legislativa, e explicou aos colegas de Moura a decisão da Executiva do partido. Parte dos deputados afirmou ao presidente do partido que a decisão pela suspensão havia sido precipitada, e ressaltou que Luiz Moura era "um dos nossos". Essa parte da bancada acredita que Moura está sendo julgado com base em informações extraoficiais.

O presidente do PT comparou o caso ao episódio que envolveu o deputado federal André Vargas (sem partido). E disse que era um parlamentar muito mais importante, por ser vice-presidente da Câmara dos Deputados. Mesmo assim, o partido foi rigoroso com ele - a decisão do PT nacional de enviar o caso de Vargas à comissão de ética do partido fez com que ele se desfiliasse.

Emídio ainda argumentou que o PT é um partido visado, dirige o País, e não poderia ficar refém dessa agenda nem poderia ficar sangrando um mês, como no caso de André Vargas. A direção do PT espera que Luiz Moura se desfilie antes do prazo de 60 dias.

Padilha

O ex-ministro, por sua vez, esquivou-se de responder se a presença de Moura no PT constrangeria sua candidatura, ao fazer o debate sobre segurança pública. Tampouco opinou se Moura deveria ser expulso. Padilha voltou a afirmar que o PT "será implacável com qualquer facção criminosa e qualquer pessoa que se aproxime de uma facção criminosa".