X
Política

PT chama ajuda externa para tentar mudar

A maior preocupação, no entanto, será o combate interno à corrupção. A obrigatoriedade de contribuições financeiras dos filiados deve cair

 A senadora Marta Suplicy (PT-SP) enfureceu o PT quando disse ao jornal O Estado de S.Paulo que o partido tem de mudar para não acabar.

A necessidade urgente de mudança, porém, é quase unanimidade entre os dirigentes desde a eleição do ano passado, quando ficou claro internamente que o modelo criado 35 anos atrás está obsoleto.

Diante da onda antipetista que por pouco não custou à legenda o controle do governo federal, o partido da presidente Dilma Rousseff vai dedicar este semestre a reformulações e autocríticas, em processo liderado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Do aniversário de 35 anos da sigla, que será comemorado no dia 6 de fevereiro em Belo Horizonte, até junho, quando será realizada a segunda etapa do 5.º Congresso Nacional do PT, em Salvador, o partido vai realizar uma série de debates e discussões com três objetivos estratégicos: reaproximar-se dos movimentos sociais, flexibilizar a estrutura partidária e, principalmente, pensar em medidas para recuperar a imagem do partido, desgastada por sucessivos escândalos de corrupção. "Houve um desvio de rota. Temos que retomar o rumo original", admite o secretário nacional de Organização do PT, Florisvaldo Souza.

PT chama ajuda externa para tentar mudar (Foto: Divulgação)

Não filiados

As correções de rumos não são novidade na história do PT. A diferença desta vez é que o partido vai recorrer a pessoas de fora para ajudar no processo de autocrítica. O diretório nacional aprovou a inédita participação de não filiados no Congresso, a instância máxima partidária. Alguns dirigentes, no entanto, vão além.

"Podemos fazer convites pontuais a jornalistas, economistas, gente da academia, de preferência críticos ao PT, para ajudar nesta reflexão", sugere o secretário-geral petista, Geraldo Magela.

A abertura da estrutura partidária, hoje engessada pela eterna disputa entre as correntes internas, é uma das maiores preocupações de Lula. No fim do ano passado, o ex-presidente reclamou do perfil essencialmente burocrático da atual direção petista, acentuada a partir da chegada do partido ao governo federal, em 2003.

A ideia é criar mecanismos online que possibilitem a participação na vida partidária de governadores, ministros, prefeitos e parlamentares, hoje dedicados exclusivamente às suas tarefas de Estado. Pessoas próximas a Lula, como o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Luiz Dulci e o assessor especial da Presidência Marco Aurélio Garcia, devem ficar mais presentes no partido.

Setoriais de cultura e economia podem ser criados para atrair artistas e acadêmicos. Por meio das redes sociais, o PT quer diversificar sua agenda incluindo temas como a questão de gênero, mobilidade urbana e meio ambiente para atrair a juventude que aderiu espontaneamente à campanha de Dilma.

A maior preocupação, no entanto, será o combate interno à corrupção. A obrigatoriedade de contribuições financeiras dos filiados deve cair. No fim de 2014, o PT aprovou uma nova regra que agiliza os processos de punição a corruptos. A expectativa é de um expurgo nos quadros partidários.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Dois PMs morrem com suspeita de febre maculosa durante curso

Vítimas eram instrutores da COPC, que teve uma fase de curso em área de mata. Casos seguem em análise pela Fiocruz

Se já estava ruim, vai piorar! Petrobras anuncia novo aumento nas refinarias

Reajuste passa a valer nesta terça-feira (26) para gasolina e diesel

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software