PSDB é contrário a apenas algumas medidas do ajuste fiscal, diz FHC

O ex-presidente avalia que está faltando uma sinalização do governo de Dilma Rousseff de para onde o País vai

Comentar
Compartilhar
13 MAI 201513h47

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) afirmou que o PSDB não é contra o ajuste fiscal que vem sendo feito pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para melhorar as contas do governo, mas disse que o partido é contrário a algumas medidas. "O PSDB votou contra algumas medidas, outras não. Algumas medidas do ajuste têm que ser revistas mesmo, outras não", disse a jornalistas logo após participar de um evento em Nova York nesta quarta-feira, 13, em que o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), foi falar de oportunidades de investimento. "O Brasil precisa do ajuste. Mais que de ajuste, precisa é de esperança. Não se faz simplesmente uma operação sem anestesia", completou.

Fernando Henrique avalia que está faltando uma sinalização do governo de Dilma Rousseff de para onde o País vai. "O ajuste é para fazer o quê? Qual o caminho? Investir no quê? Quais são os principais fatores que vão nos levar outra vez a acreditar? O que vamos fazer com energia? Há uma crise grande de energia no Brasil. Como vamos resolver essa questão?", questionou o ex-presidente.

"O ajuste tem que ser feito, vai ser feito, haverá discussões, o PSDB vai votar uma hora a favor uma hora contra", afirmou aos jornalistas. O ex-presidente disse que não interfere no dia a dia das decisões do partido e ressaltou que o governo precisa sinalizar melhor os rumos. "O ajuste é para quê? Para reforçar outra vez os mesmos donos do poder que nos levaram a esse desastre ou é para criar uma situação que possa permitir uma esperança maior para o Brasil?", questionou.

O ex-presidente afirmou que houve um "desatino do gasto público" no Brasil. Fernando Henrique ressaltou que foi ministro da Fazenda e que, em sua gestão, explicava ao País por que estava tomando determinadas medidas fiscais. "Não se pode fazer sem explicar qual é a saída, para onde nós vamos, qual é o futuro que estamos criando para o Brasil. Então está faltando esse outro lado", disse ele.

Nessa terça, 12, FHC recebeu em Nova York o prêmio "Pessoa do Ano" oferecido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos em um disputado jantar de gala para 1,2 mil pessoas, que também teve como homenageado o ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton.

Fernando Henrique Cardoso disse que o PSDB é contrário a apenas algumas medidas do ajuste fiscal (Foto: Clayton de Souza/Estadão Conteúdo)