Promotoria investiga ministro do Meio Ambiente por enriquecimento ilícito

De acordo com o jornal, a investigação está concentrada no período entre 2012 e 2017, quando alternou a atividade de advogado com cargos no governo paulista.

Comentar
Compartilhar
18 AGO 2019Por Folhapress10h16
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para apurar suspeita de enriquecimento ilícito do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A informação foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo neste sábado (17). 

De acordo com o jornal, a investigação está concentrada no período entre 2012 e 2017, quando alternou a atividade de advogado com cargos no governo paulista. 

A Justiça já negou duas vezes pedidos da Promotoria para a quebra de sigilo bancário e fiscal do ministro. 

A investigação começou em julho, após a representação de uma empresa chamada Sppatrim Administração e Participações. A empresa levantou suspeita sobre a evolução patrimonial do ministro, com base nas próprias declarações de bens que ele prestou à Justiça Eleitoral. 

Salles foi candidato a vereador de São Paulo pelo PSDB em 2012, sem ser eleito. Na época, ele declarou R$ 1,4 milhão em bens, 10% de um apartamento, um carro e uma moto. Em 2018, quando tentou ser deputado federal pelo Novo, a declaração foi de R$ 8,8 milhões, dois apartamentos de R$ 3 milhões cada, R$ 2,3 milhões em aplicações e um barco de R$ 500 mil. O aumento foi de 335%. 

O ministério afirmou ao jornal, em nota, que "patrimônio e os rendimentos do ministro foram sempre declarados adequadamente à Receita Federal". Além disso, afirmou que "a própria representação não traz nada diferente do que nelas constam". 

A reportagem procurou o Ministério Público, que afirmou que não falaria sobre o caso por estar em segredo de Justiça. Nenhum representante do Ministério do Meio Ambiente foi localizado neste sábado. 

No período investigado, Salles atuou em cargos no governo estadual. Foi secretário particular do ex-governador Geraldo Alckmin em 2013 e 2014. Na mesma gestão, entre 2016 e 2017, foi secretário do Meio Ambiente. Neste período, recebeu entre R$ 12 mil e R$ 18 mil. 

Colunas

Contraponto